China relata ‘desastre humanitário’ na Líbia e pede cessar-fogo imediato

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de março de 2011 as 12:02, por: cdb
Morador de localidade próxima a Benghazi constata o rastro de destruição após bombardeio dos aliados
Morador de localidade próxima a Benghazi constata o rastro de destruição após bombardeio dos aliados

A China alertou sobre um “desastre humanitário” na Líbia e expressou “profunda preocupação” com relatos de baixas civis nesta terça-feira, renovando pedidos pelo fim dos combates no país do norte da África.

A China “se opõe a causar ainda mais baixas civis através do uso de forças armadas”, disse Jiang Yu, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, a jornalistas.

– Novamente conclamamos todas as partes a observar um cessar-fogo imediato. Vimos relatos de como o uso da força armada está causando baixas civis, e nos opomos ao uso leviano desta força que leva a mais baixas civis e mais desastres humanitários – disse.

As potências ocidentais iniciaram os ataques contra a Líbia no final de semana em uma campanha sancionada pela ONU tendo como alvo as defesas aéreas, a aplicação de uma zona de exclusão aérea e a proteção de civis contra as forças de Muammar Gaddafi.

Jiang não disse de forma direta se os ataques aéreos à Líbia violam a resolução do Conselho de Segurança da ONU. Na votação da semana passada, dez países apoiaram a resolução e os outros cinco – incluindo o Brasil – se abstiveram, incluindo China e Rússia, que não usaram seu poder de veto.

Na segunda-feira os jornais oficiais chineses elevaram o tom da oposição de Pequim contra os ataques aéreos ocidentais na Líbia, acusando as nações que apoiam os assaltos de violar regras internacionais e cortejar novos tumultos no Oriente Médio.

Embora Pequim dificilmente vá além do embate verbal com os governos ocidentais na questão, sua oposição pode render pontos com árabes e outras nações que podem ficar mais alarmadas se os ataques continuarem e causar mais baixas.

Comments are closed.