Chávez diz ter certeza de que Lula seria reeleito

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 13 de novembro de 2005 as 20:32, por: cdb

Presidente da Venezuela, Hugo Chávez disse neste domingo ter certeza que o seu colega brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva sairia vitorioso se fosse candidato para reeleição em 2006. Ainda não está definido se Lula vai disputar as eleições presidenciais do ano que vem.

– Tenho certeza que se Lula concorrer à reeleição, será o vencedor – disse Chávez durante seu programa dominical de rádio e televisão Alô, Presidente.

Chávez reiterou seus planos para conseguir que a Venezuela ingresse no Mercosul, atualmente composto por Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil, criticando a Comunidade Andina.

– A Venezuela não tem nada para buscar na atual Comunidade Andina, nada… É possível que a situação mude no futuro, mas uns países que estão negociando um TLC (tratado de livre comércio) com os Estados Unidos – afirmou.

Colômbia, Equador e Peru iniciaram em maio de 2004 as negociações na busca de um acordo comercial com os EUA, o destino de mais de 40 por cento das exportações destes países. Também faz parte da Comunidade Andina a Bolívia. Chávez sustenta que Washington quer estabelecer tratados de livre comércio com vários países da região porque a Alca (Área de Livre Comércio das Américas) teria fracassado.

Enquanto isso, o governante tenta conseguir o ingresso de seu país no Mercosul, que tem como associados ainda Chile e Bolívia.

– A Venezuela não tem outro caminho sem ser a união do Sul e a primeira etapa desta união é o ingresso no Mercosul, como membro pleno… Para que sejam cinco mosqueteiros: Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai e Venezuela – disse.

A incorporação do país como novo membro será o tema central do próximo encontro de presidentes do grupo, em dezembro, em Montevidéu, disse há alguns dias o chanceler uruguaio, Reinaldo Gargano. Especialistas afirmam que a entrada da Venezuela expressa mais vontade política que viabilidade, já que será difícil e custoso adaptar suas tarifas às dos países do bloco.