Chávez culpa Bush por crise na Venezuela e violência no Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de abril de 2004 as 05:51, por: cdb

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, culpou o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, de tentar buscar sua derrocada há três anos e de semear a violência vivida atualmente no Iraque.

Chávez insistiu que o golpe de Estado que em abril de 2002 o apartou do poder durante 47 horas ‘foi projetado’ nos EUA, cujo presidente decidiu um ano antes derrocá-lo, segundo assegurou.

– Foi pensado em Washington, tem fatura da Casa Branca e devo repetir: os Estados Unidos, e de maneira particular o governo do senhor Bush, há três anos tomaram a decisão de derrocar o governo bolivariano e levou à surpresa do mundo; chocaram contra o muro do povo venezuelano – sustentou.

Em um discurso transmitido em cadeia nacional obrigatória de rádio e televisão, e ante uma concentração de seguidores que se amontoaram nos arredores do palácio presidencial de Miraflores para comemorar seu regresso ao poder em 13 de abril de 2002, Chávez desafiou Bush a apostar quem deixará antes de ser governante.

– Como o presidente dos EUA disse que não descansará até que Chávez caia, lhe reitero meu desafio; quem dura mais, se ele na Casa Branca ou eu em Miraflores – disse.

Lembrou que porta-vozes do governo de Washington o identificam, junto a seu colega cubano, Fidel Castro, como uma ameaça para a estabilidade do continente, ‘porque dizem que somos os desestabilizadores, algo assim como os meninos maus’.

– Os meninos maus são eles; eles são os grandes conspiradores e não só no continente mas em todo o planeta – exclamou e lembrou o sucedido com os agora ex-governantes Saddam Hussein (Iraque) e Jean Bertrand-Aristide (Haiti).

– De quem é a culpa da violência desatada no Iraque? Será de Saddam Hussein ou dos que eles chamam de fundamentalistas? Não, a culpa de todos esses mortos tem um nome: George W. Bush – falou.

Depois de saudar os que ‘estão dando sua batalha contra o invasor imperialista’ e criticar atitudes que chamou de ‘pelo menos complacentes’ da ONU e da Organização dos Estados Americanos (OEA), ressaltou que seu governo combate ‘a injustiça e o atropelo, chame como chamar o agressor e falar o idioma que fale’.

Chávez também disse que Bush continua financiando setores ‘golpistas’ da oposição a seu governo e lhe recomendou não continuar fazendo isso, ‘porque está perdendo sua prata (dinheiro); bom, nem sequer é dele esse dinheiro, mas de seu povo’, acrescentou.