Chanceleres da Venezuela e Colômbia não entram em acordo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de janeiro de 2005 as 04:49, por: cdb

Os chanceleres da Venezuela e da Colômbia não chegaram a um acordo na reunião realizada, na quinta-feira, para superar a crise diplomática e comercial entre os dois países gerada há seis semanas, quando foi capturado o guerrilheiro colombiano Rodrigo Granda, supostamente em território venezuelano.

Os ministros das Relações Exteriores da Venezuela e da Colômbia, Alí Rodríguez e Carolina Barco, aproveitaram uma reunião na sede peruana da Comunidade Andina para tratar do assunto.

A ministra não quis dar muitos detalhes sobre o encontro, mas admitiu que as conversas para resolver a crise estão avançando. Ela acrescentou, porém, que não haverá pedido de desculpas à Venezuela, como exigiu o presidente Hugo Chávez.

A Venezuela reclama de uma suposta violação de sua soberania por parte da Colômbia, durante a captura do guerrilheiro na cidade de Caracas. Segundo o governo venezuelano, funcionários da segurança da Venezuela ganharam uma recompensa para entregá-lo em Cocotá à polícia colombiana. A Colômbia, por sua vez, nega a versão do seqüestro e afirma que Granda foi detido na cidade colombiana.

A crise ameaça o comércio entre os dois países, que, em 2004, cresceu em mais de US$ 2 milhões. Depois dos Estados Unidos, a Venezuela é a segunda maior parceira comercial da Colômbia.