Chanceler alemão diz que há tempo para a paz

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de março de 2003 as 10:17, por: cdb

A Alemanha está convencida de que a crise no Iraque ainda pode ser resolvida por meios pacíficos, afirmou o chanceler Gerhard Schroeder nesta sexta-feira, insistindo que as inspeções de armas das Nações Unidas deverão resultar no “desarmamento sustentável e verificável”.

Os comentários, feitos enquanto Schroeder apresentava um plano econômico ao Parlamento alemão, vêm à tona no momento em que os Estados Unidos revelam posições contraditórias em relação ao Iraque.

“Precisamos ter a coragem de lutar pela paz enquanto houver uma migalha de esperança de que a guerra pode ser evitada”, disse Schroeder.

“Insistimos na lógica da paz, em vez de aderirmos à lógica da guerra”, acrescentou.

Na quinta-feira, o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, declarou que os Estados Unidos ainda se esforçam para obter o consenso no Conselho de Segurança da ONU, mas também mencionou a possibilidade de Washington desistir de votar a nova resolução sobre o Iraque e partir sozinho para a guerra.

“As opções continuam abertas: vamos votar e ver o que os membros dizem ou não vamos votar”, expressou Powell.

Ao mesmo tempo, a Casa Branca começou a planejar uma reunião de cúpula – possivelmente neste fim de semana – entre o presidente George W. Bush e seus dois grandes aliados no Conselho de Segurança da ONU: os primeiros-ministros Tony Blair, da Grã-Bretanha, e José María Aznar, da Espanha.

Segundo altos funcionários do governo norte-americano, o encontro poderia acontecer em um país neutro e o objetivo dos três líderes seria estudar a estratégia final nos campos militar e diplomático.
A tensão no Conselho de Segurança é alta. A Grã-Bretanha indicou que a ameaça da França de vetar a nova resolução da ONU tornaria a guerra contra o Iraque ainda mais provável.

“Acho extraordinário que, sem nem mesmo analisá-las, o governo francês tenha decidido rejeitar estas idéias”, declarou na quinta-feira o secretário do Exterior britânico, Jack Straw, referindo-se às seis condições apresentadas esta semana por Londres para que o Iraque evite a guerra.