Centenas comparecem a funeral de Stanley ‘Tookie’ Williams

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 21 de dezembro de 2005 as 10:00, por: cdb

Centenas de pessoas foram ao funeral do ex-líder de gangue na Califórnia Stanley “Tookie” Williams, que foi executado na semana passada com uma injeção letal, 24 anos depois de ter sido condenado pela morte de quatro pessoas. O serviço religioso, realizado em Los Angeles, contou com a presença do rapper Snoop Dogg, o ativista de direitos civis Jesse Jackson e o líder da Nação do Islã, Louis Farrakhan. Williams foi executado depois que o governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, negou clemência a ele. Em uma mensagem gravada, Williams pediu que as pessoas que velavam por ele ajudassem outros a “evitar caminhos destrutivos” e procurar pela paz. Ao falar com os presentes no funeral, o reverendo Jackson condenou a execução de um homem que se via como um “curador, não um predador”, no momento de sua morte. Um telão foi colocado do lado de fora da igreja, para que a multidão que compareceu pudesse acompanhar a cerimônia.

“A guerra dentro de mim terminou. Eu lutei contra os demônios e triunfei”, afirmou Williams em gravação. “Ensinem as pessoas a evitar caminhos destrutivos. Ensinem a lutar por uma melhor educação. Ensinem a promover a paz e a reconstruir as vizinhanças que ajudamos a destruir.”

Williams, de 51 anos de idade, foi o co-fundador, em 1971, de uma gangue chamada Crips, uma das maiores e mais violentas do mundo. Ele sempre negou ter cometido os quatro assassinatos pelos quais foi condenado, ocorridos em 1979. Durante seus 24 anos na prisão, Williams foi elogiado por ter escrito livros contra gangues de jovens, recebendo até indicações para o prêmio Nobel da Paz.