Caso Von Richthofen completa 1 ano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de outubro de 2003 as 01:48, por: cdb

O assassinato do engenheiro Manfred von Richthofen e de sua mulher, a psiquiatra Marísia, completa nesta sexta-feira um ano. Presa como autora intelectual do crime, a filha do casal, Suzane, 19 anos, mergulhou em uma rotina sombria.

Quando sai de sua cela, na Penitenciária Feminina do Estado, em São Paulo, trabalha na maternidade da cadeia e ainda dá aulas de inglês e alemão para detentas. Mas também se dedica a remoer o passado.
 
– Se Suzane pudesse, voltaria no tempo quatro anos para nunca ter conhecido as pessoas da família Cravinhos – disse um amigo íntimo dela.

Daniel Cravinhos de Paula e Silva, namorado de Suzane, de 22 anos, e o irmão dele, Cristian, de 27, mataram Manfred e Marísia a pauladas. O motivo teria sido a proibição do namoro de Suzane e Daniel. De acordo com o mesmo amigo, Suzane esqueceu o namorado e costuma dizer que sente saudade dos pais. ‘Ela reza muito’. Acostumada ao conforto, Suzane ainda não se adaptou à cadeia.

– Ela se alimenta mais das frutas que recebe nas visitas – disse uma amiga.

Suzane também teve de pegar pesado no trabalho. Além de cuidar de detentas que têm filhos na cadeia, faz limpeza no pavilhão. No verão, Suzane foi trabalhar na horta da penitenciária.

Chorou devido ao sol forte. Em sua cela no Centro de Detenção Provisória do Belém, Daniel Cravinhos passa os dias falando em Suzane. Amigos contam que ele emagreceu 15 quilos.

Cristian reconciliou-se com uma ex-namorada, que o visita na cela dividida com mais quatro presos. O julgamento dos três deve ocorrer em 2004. A previsão da promotoria é que eles sejam condenados a 20 anos de prisão.