Cardeais norte-americanos propõem “tolerância zero” contra pedofilia na Igreja

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de abril de 2002 as 17:32, por: cdb

Os cardeais norte-americanos que participam da reunião convocada pelo papa João Paulo II para discutir o escândalo sexual na Igreja Católica nos Estados Unidos propuseram, nesta quarta-feira, uma política de “tolerância zero” contra os padres que molestam crianças. “Quando você diz tolerância zero, quero dizer tolerância zero para todo mundo”, declarou o cardeal de Washington, Theodore McCarrick, que sugeriu também o julgamento, “caso a caso”, de denúncias ocorridas décadas atrás. O Vaticano ainda não divulgou um comunicado final sobre a reunião de dois dias e não estão claras que implicações a tolerância zero, caso adotada, teria.

Alguns líderes católicos defendem que os padres que abusam sexualmente de crianças sejam imediatamente expulsos do clero; outros falam em programas de reabilitação. A política de tolerância zero também é conhecida como “um golpe, fora” – um termo comum nos jogos de beisebol nos Estados Unidos. “Não estou certo de que a linguagem do campo de beisebol será apropriada para nós”, reagiu o cardeal William Keeler, de Baltimore, estado de Maryland.

“O que eu quero dizer é que se houver uma alegação crível de abuso e esta alegação for sustentada por uma investigação, então o indivíduo acusado nunca mais deverá ficar em uma posição na qual seja possível fazer mal a uma criança”, completou.

A reunião desta quarta-feira aconteceu um dia após João Paulo II ter feito sua declaração mais veemente sobre o escândalo sexual na Igreja, classificando como “crime” e “pecado” os abusos praticados por padres contra menores. “A vocação dos padres é ajudar as pessoas a levar uma vida sagrada perante os olhos de Deus. Em vez disso, causaram tamanho sofrimento aos jovens”, disse o pontífice.

O papa também lamentou os danos causados pelos escândalos à imagem da Igreja Católica, ressaltando que muitos fiéis sentiram-se ofendidos com a maneira como bispos e cardeais lidaram com o problema.