Candidato à Presidência da França quer imposto de 75% para ricos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de fevereiro de 2012 as 10:43, por: cdb

Hollande fez campanha em feira internacional de agricultura de Paris

O candidato socialista à Presidência da França, François Hollande, disse que os franceses com os maiores ganhos anuais deveriam pagar um imposto de 75% do valor de sua renda.

“Acima de 1 milhão de euros (quase R$ 2,3 milhões, por ano), a taxa de imposto deve ser de 75%, pois não é possível ter este nível de renda”, disse Hollande.

Falando no horário nobre da televisão francesa, o candidato prometeu que, se eleito, vai revogar as isenções de impostos que foram determinadas pelo atual presidente, Nicolas Sarkozy.

Hollande é considerado o favorito nas eleições do dia 22 de abril, mas, as últimas pesquisas de opinião sugerem que a diferença entre ele e Sarkozy na preferência dos eleitores está diminuindo.

Acredita-se que Hollande e Sarkozy devem se enfrentar novamente no segundo turno, marcado para o dia 6 de maio.

Polêmica

O aumento de impostos para os ricos se transformou em um dos assuntos mais polêmicos da campanha presidencial francesa. Segundo a agência de notícias Reuters, especialistas da Suíça afirmam que impostos mais altos para os franceses mais ricos podem causar um êxodo para o país.

Muitas das celebridades mais ricas da França já moram em outros países.

O jornal francês Le Figaro informou que o anúncio de Hollande, feito no canal de televisão TF1, parece ter pego de surpresa até os próprios companheiros do Partido Socialista.

Em uma entrevista concedida minutos depois a outro canal francês, o France 2, Jérôme Cahuzac, responsável pelo setor tributário da campanha de Hollande, foi questionado a respeito da taxa de 75% proposta pelo candidato.

“Você está perguntando sobre uma declaração que, de minha parte, eu não ouvi”, disse.

Hollande voltou a falar sobre a proposta de imposto nesta terça-feira, afirmando que o índice de 75% para as pessoas que ganham mais de 1 milhão de euros por ano é um “ato patriótico”.

“É um sinal enviado, uma mensagem de coesão social, um esforço que precisa ser feito. É patriótico concordar em pagar um imposto suplementar para que o país volte a ficar de pé”, explicou Hollande.

Ministros do governo da França, que são do partido de Sarkozy, condenaram a proposta de Hollande.

François Hollande “inventa um novo imposto toda semana sem sequer propor uma pequena economia”, disse a ministra do Orçamento, Valerie Pecresse.

Para o ministro do Exterior, Alain Juppé, o plano do candidato é um “confisco fiscal”.

Quando chegou à Presidência, em 2007, Sarkozy introduziu o chamado “escudo de imposto”, que limitava o imposto a 50% da renda.