Canadá pode mudar patentes na luta contra a aids

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de setembro de 2003 as 14:11, por: cdb

O Canadá está considerando modificar suas leis sobre patentes para facilitar a exportação de genéricos aos países do Terceiro Mundo que não podem pagar pelos remédios essenciais na luta contra a aids. A iniciativa de Ottawa ocorre depois que o enviado da ONU para a luta contra a aids, o canadense Stephen Lewis, solicitou a este Governo que liderasse as iniciativas para combater essa doença em todo o mundo.

Os ministros da Indústria, Allan Rock, e do Comércio Internacional, Pierre Pettigrew, se mostraram ontem favoráveis à modificação das leis sobre patentes – como pediu Lewis – para que as companhias farmacêuticas que produzem remédios genéricos possam produzir e exportar produtos patenteados. Os remédios seriam destinados aos países pobres que enfrentam situações de emergência extrema.

“Eu espero que isso aconteça assim que for possível. Acho que é compatível com a agenda sobre a África do primeiro-ministro e mostraria a liderança canadense para apoiar soluções sanitárias globais”, defendeu Rock. Já o ministro dos Assuntos Exteriores, Bill Graham, declarou que “acredito que precisamos aceitar o desafio de Stephen Lewis”.

O enviado da ONU para a luta contra a Aids, que participará em Nairóbi de uma conferência sobre a doença na África, solicitou aos países do G-7 (grupos das nações mais industrializadas do mundo) que atenuem de forma imediata suas leis sobre patentes para que os países mais pobres recebam por ano remédios no valor de 1 bilhão de dólares.

A combinação de remédios que um paciente de Aids precisa custa em média US$ 10 mil por ano – uma quantidade inacessível para os países em desenvolvimento -, mas esses mesmos medicamentos produzidos de forma genérica custam apenas US$ 300.