Campanha de vacinação antirrábica começa nesta segunda-feira em Juiz de Fora

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 26 de junho de 2012 as 16:19, por: cdb

Terça-feira, 26 de junho de 2012, atualizada às 17h30

Campanha de vacinação antirrábica começa nesta segunda-feira em Juiz de Fora

Da Redação

A campanha de vacinação antirrábica na zona rural de Juiz de Fora começa nesta segunda-feira, 2 de julho. A estimativa é que cinco mil animais, entre cães e gatos, sejam imunizados nesta primeira fase da campanha.

Para o combate, duas equipes vão percorrer mais de 20 localidades da área rural. As doses estarão disponíveis em postos de saúde que serão estruturados nas regiões, e para os locais de difícil acesso, técnicos do setor de Zoonoses do Departamento de Vigilância Epidemiológica (DVEA), da Secretaria de Saúde, realizarão busca ativa, visitando as residências.

Esta campanha foi realizada pela última vez em 2010 e imunizou cerca 60 mil animais, considerando as zonas rural e urbana de Juiz de Fora. Na área urbana, a vacinação acontece no dia 25 de agosto (veja a programação).

Sábado terá postos de imunização contra a paralisia infantilPrefeitura anuncia quatro novas unidades de saúdeTratamento da dor crônica em JF carece de políticas públicasA doença

A raiva é uma doença infecciosa aguda que acomete mamíferos – homens e animais –, sendo causada por um vírus que se propaga no organismo, atingindo o sistema nervoso central, passando às glândulas salivares. Em Juiz de Fora, o tratamento profilático é realizado no setor de Soroterapia do Hospital de Pronto Socorro (HPS) Doutor Mozart Geraldo Teixeira. O HPS é referência para Juiz de Fora e outros 35 municípios da Zona da Mata no atendimento às vítimas de animais transmissores da raiva.

No setor de Soroterapia, são aplicadas vacinas antirrábicas e, em casos necessários, faz-se também o soro antirrábico. Em caso de mordidas ou arranhões, o usuário deve lavar o ferimento com água e sabão e procurar o HPS, mesmo que a vacinação do animal esteja em dia. A forma mais comum de transmissão da doença ao homem é o contato com a saliva do animal raivoso, por meio de mordeduras, arranhaduras ou lambeduras de mucosa ou de pele.