Campanha de boicote a produtos norte-americanos tem adeptos no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de março de 2003 as 14:49, por: cdb

Uma campanha internacional de boicote a produtos dos Estados Unidos começa a ganhar força na Internet. Dezenas de páginas na internet estão propondo diferentes tipos de boicotes, gerais e localizados, a produtos de empresas norte-americanas e inglesas. No Brasil, o deputado federal Chico Alencar (PT-RJ) lançou na última sexta-feira, dia 21, uma campanha para boicotar produtos feitos nos Estados Unidos.
“Vamos estimular através dos meios de comunicação o boicote a produtos que sejam fabricados lá ou que tenham clara ligação com a cultura americana”, disse Alencar ao anunciar o lançamento da campanha. Segundo ele, alguns dos primeiros produtos a serem boicotados, serão a Coca-Cola, o combustível dos postos Esso e Texaco e os lanches da rede McDonalds. O deputado petista salientou que a campanha não tem a ilusão de abalar a saúde econômica dessas corporações. Trata-se, segundo ele, mais de uma campanha de desobediência civil, como aquela que Gandhi comandou na Índia contra a Inglaterra.

Em vários países,campanhas semelhantes estão sendo lançadas. A página na internet www.boycottwar.net, do International Group for Direct Economic Action against the war (Idea – Grupo Internacional por Ações Econômicas Diretas contra a Guerra) está propondo um boicote a produtos de 20 empresas norte-americanas e inglesas. A lista de empresas é a seguinte: Coca-Cola, McDonalds, Exxon-Mobil (Esso), Texaco, Dell Computer, General Motors, Ford, Pepsi Co., Motorola, Time Warner/AOL, Disney, IBM, Shell, British Petroleum, Amway, FedEx, Revlon, Pfizer, Wal-Mart e Gap. Além destas, há ainda um grupo de outras empresas passíveis de boicote.

A proposta
A proposta de boicote do Idea foi lançada ainda antes da guerra. O grupo admite que não era possível fazer um boicote chegar ao ponto de causar um impacto econômico real antes da guerra começar. Com a confirmação da guerra, porém, o Idea acredita ser possível mostrar às elites corporativas norte-americanas a certeza de um boicote de proporções globais. “O movimento antiguerra internacional pode dizer às elites das corporações norte-americanas e inglesas que se vocês não reverterem a tendência da guerra então aqueles que se opõem a ela ao redor do mundo boicotarão vocês”, afirma o página na internet em sua página de apresentação. Consumidores individuais, instituições e governos são convidados a participar do boicote.

O Idea defende que devem ser boicotadas algumas, mas não todas as corporações norte-americanas e inglesas. “Boicote aquelas que direta ou indiretamente apóiam a guerra contra o Iraque”, propõe. São propostos dois modos de boicote, “para acomodar as diferentes necessidades, perspectivas e os diferentes níveis de comprometimento dos participantes”.

O primeiro modo é um boicote geral das corporações norte-americanas e britânicas. Neste caso, consumidores, instituições e governos são convocados a boicotar as corporações britânicas e norte-americanas na máxima extensão possível. Por outro lado, o Idea pede que sejam apoiadas cooperativas, pequenos negócios, armazéns de produtos orgânicos, ou qualquer outra entidade sem qualquer interesse em promover a guerra contra o Iraque.

O segundo modo estabelece uma “lista dinâmica, interativa e objetiva” das empresas a serem boicotadas. Esse modo destina-se a pessoas “que achariam mais conveniente ou efetivo ter uma lista a partir da qual agir. Neste caso, os ativistas criarão uma lista preliminar e parcial dessas empresas, baseadas em alguns critérios específicos (apoio direto ou indireto à guerra, infrações às normas trabalhistas, práticas ambientais e trabalho infantil).

O boicote só deve ser interrompido quando EUA e Inglaterra “cortarem drasticamente sua capacidade militar, reverterem sua postura imperialista à revelia do resto do mundo e se juntarem ao mundo civilizado na ratificação tanto do protocolo de Quioto sobre o aquecimento global, quanto do Tribunal Penal Internacional.

Outras campanhas contra a guerra
A página do Idea ind