Camelôs voltam a acampar na frente da prefeitura de SP

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 25 de junho de 2012 as 08:47, por: cdb

Camelôs voltam a acampar na frente da prefeitura de SP

O desembargador Ivan Sartori derrubou cautelar que permitia a volta ao trabalho. Barracas não podem ser montadas hoje

Por: Gisele Brito, da Rede Brasil Atual

Publicado em 25/06/2012, 11:42

Última atualização às 11:42

Tweet

São Paulo – Ambulantes com deficiência física e visual voltaram a acampar hoje (25) na frente da prefeitura de São Paulo, no centro da capital. Na sexta-feira (22), o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Ivan Sartori, derrubou a medida cautelar que permitia aos camelôs voltarem às ruas, depois que um decreto do prefeito Gilberto Kassab (PSD) cassou suas permissões de trabalho. 

“A prefeitura já está usando retroescavadeira para retirar as barracas que ficam fixas nas ruas”, afirmou Juliana Avanci, advogada do Centro Gaspar Garcia de Direito Humano, que atua na defesa dos camelôs. 

Para ela, vai se criando uma situação irreversível. “Parece ser um projeto pessoal do desembargar Sartori retirar os camelôs das ruas”, lamentou.

Os ambulantes prometem ficar acampados até que Kassab os receba. A prefeitura propõe que os portadores de deficiência e os sexagenários trabalhem em feiras, mas a medida é considerada descabida pelos ambulantes. Eles teriam dificuldade para se locomover e montar as barracas em feiras que acontecem num lugar diferente a cada dia. 

“Os deficientes vão permanecer aqui para sensibilizar a sociedade e o prefeito. Eles não querem ir para feiras”, explica Alcides Oliveira, vice-presidente do Sindicato dos Permissionários.

Na próxima quarta-feira (27) os ambulantes voltarão a se reunir diante do Tribunal de Justiça do Estado, pressionando para que a decisão do presidente da casa seja revista, o que permitiria a volta dos trabalhadores regularizados. 

“Nós estranhamos muito que em menos de 11 dias o Sartori tenha dado duas decisões favoráveis à prefeitura, então vamos continuar mobilizados”, afirma Oliveira. 

Leia maisAmbulantes de São Paulo reconquistam direito de voltar ao trabalho nas ruasEm ataque a camelôs, Kassab ignora idosos e deficientes