Câmara vai investigar apenas 16 dos 63 deputados suspeitos de corrupção

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 10 de maio de 2006 as 22:48, por: cdb

A Mesa Diretora da Câmara dos Deputados decidiu investigar 16 dos 63 deputados mencionados no documento da Justiça Federal como possíveis envolvidos em fraudes da compra superfaturada de ambulância por meio de emendas parlamentares. A Operação Sanguessuga prendeu 50 pessoas envolvidas no esquema. Entre eles, secretários parlamentares, funcionários do Ministério da Saúde, integrantes de prefeituras.

Anteriormente, a lista continha 65 parlamentares, sendo um senador, 62 deputados, o ex-deputado Rovinon Santiago e um suplente. A diferença se deve pela inclusão do parlamentar Pastor Pedro Ribeiro (PMDB-CE), cujo assessor se encontra preso pela Polícia Federal. Clique aqui para ver a lista dos deputados que serão investigados. Nove deputados ficarão com seus nomes na corregedoria para aguardar informações adicionais para verificar se serão investigados ou terão processos arquivados. Desses, três tiveram funcionários acusados de recebimento de dinheiro do esquema. Outros seis tiveram seus servidores presos pela Polícia Federal. Em relação a outros dois, a corregedoria vai solicitar informações porque as gravações apenas citaram o primeiro nome, o que deixou dúvidas.

Segundo a análise da Mesa Diretora, não foram constatados indícios de irregularidades dos documentos da PF contra 36 deputados. Isso significa que eles terão os pedidos de investigação arquivados. “Mas se forem apresentados documentos contra eles, ele serão investigados”, ressaltou o presidente Aldo Rebelo (PCdoB-SP).