Câmara realiza eleição para escolher novo presidente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de fevereiro de 2005 as 06:35, por: cdb

A Câmara realizará, nesta segunda-feira, a partir das 16h, a eleição do novo presidente da Casa. Na eleição mais disputada da história, os 513 deputados vão escolher, por meio de votação secreta, seu novo presidente.

Estão na disputa os deputados Luiz Eduardo Greenhalgh (SP), candidato oficial da bancada do PT; Virgílio Guimarães (PT-SP); José Carlos Aleluia (PFL-BA); Severino Cavalcanti (PP-PE); e Jair Bolsonaro (PFL-RJ).

Qualquer deputado pode registrar uma candidatura avulsa até uma hora antes do início da eleição.

Para ser eleito em primeiro turno, o deputado mais votado deve conseguir metade mais um dos votos dos deputados presentes na eleição. Para que a sessão tenha início, é necessário que metade dos deputados compareça ao Plenário, isto é, são precisos 257 deputados.

Vão para a disputa em segundo turno os dois deputados mais votados em primeiro turno. O escrutínio será feito com cédulas de papel. A sessão será comandada pelo atual presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), que já marcou reunião com os cinco candidatos à presidência para hoje, às 11h, com o objetivo de acertar os detalhes da votação.

Os demais 10 cargos da mesa diretora da Câmara só serão preenchidos após a eleição do novo presidente. Depois de empossado, o presidente comanda as demais eleições. Como há a possibilidade de segundo turno, essa segunda parte das eleições na Câmara pode ficar para terça-feira.

A divisão dos cargos da mesa foi feita proporcionalmente ao tamanho das bancadas registrado no dia 15 de dezembro e segue a seguinte ordem: Presidência – PT; 1ª Vice-presidência – PFL; 2ª Vice-presidência – PP; 1ª Secretaria – PMDB; 2ª Secretaria – PTB; 3ª Secretaria – PSDB; 4ª Secretaria – Bloco PL/PSL.

Para as suplências do cargo de secretário, o PT, o PMDB, o PPS e o PSB têm direito a uma das quatro vagas. Na reunião da bancada do PT, ocorrida neste domingo, o partido acertou que cederá sua suplência para o PDT.