Câmara absolve o nono deputado acusado de corrupção

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de abril de 2006 as 23:30, por: cdb

O Plenário da Câmara absolveu, na noite desta quarta-feira, o deputado José Mentor (PT-SP) no processo de cassação de mandato por quebra de decoro parlamentar. Mentor respondia processo por ter recebido R$ 120 mil das empresas de Marcos Valério de Souza, acusado de ser o principal operador do chamado “mensalão” (esquema de pagamento de parlamentares em troca de apoio ao governo).

Apenas 432 deputados compareceram ao plenário para a votação (81 faltaram). Desses, 241 votaram a favor da cassação, 175 pela absolvição. Eram necessários no minimo 257 votos favoráveis para que Mentor fosse cassado. Se abstiveram oito deputados, seis votaram em branco e dois anularam os votos. Com o resultado, o processo será arquivado.

O Conselho de Ética havia recomendado ao Plenário, por nove votos a quatro, a cassação do deputado José Mentor. O petista assumiu ter recebido os R$ 120 mil, mas como pagamento de serviços advocatícios prestados por seu escritório. Ele nega que tenha recebido recursos do “valerioduto”.

– Em nenhum momento, durante a investigação, meu nome foi mencionado, nem apareceu na lista dos sacadores do Banco Rural – disse.

Segundo ele, os valores recebidos foram declarados à Receita Federal.

– É inconcebível que se questione a origem dos recursos, uma vez que todos os procedimentos legais foram seguidos, inclusive o recolhimento de impostos – afirmou.

Com a absolvição de José Mentor, já são nove deputados acusados de envolvimento no “mensalão” absolvidos pelo Plenário da Câmara. Três dos processados foram cassados: Roberto Jefferson (PTB-RJ), José Dirceu (PT-SP) e Pedro Corrêa (PP-PE).

Ainda faltam ser apreciados pelo Plenário os processos de cassação dos seguintes deputados acusados de envolvimento com o “mensalão”: Josias Gomes (PT-BA), cujo processo já foi aprovado pelo Conselho de Ética, Vadão Gomes (PP-SP) e José Janene (PP-PR), que ainda dependem de votação no Conselho de Ética.