Califórnia dá por encerrada batalha contra o fogo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 2 de novembro de 2003 as 12:07, por: cdb

Com a maioria dos focos de incêndio controlados, os quase 15 mil bombeiros que combatem o fogo na Califórnia, que causou pelo menos 22 mortes e reduziu três mil quilômetros do estado a cinzas, deram por encerrada hoje a batalha dos últimos dias. Muitos dos cem mil moradores que haviam sido evacuados voltavam para suas casas.

Depois de três dias consecutivos de temperaturas baixas, com direito a chuva e até mesmo neve em algumas áreas afetadas, as chamas, que se alastraram dos subúrbios ao norte de Los Angeles até a fronteira com o México, deram a primeira trégua desde o início dos incêndios no dia 21 de outubro.

Ontem à noite, os quatro maiores focos de incêndio, dos 17 registrados, já estavam sob controle de 60% a 90%, anunciaram as autoridades, que acrescentaram que apesar de muitos dos 15 mil bombeiros continuarem trabalhando, muitos outros voltaram a suas casas para descansar da catástrofe. “A atividade do fogo diminuiu consideravelmente”, disse Krystal Johnson, do Serviço Florestal americano.

Pela primeira vez em vários dias, o fogo não avançou em San Bernardino, 80 km ao leste de Los Angeles. “O clima interrompeu de maneira considerável o avanço dos incêndios e as pessoas evacuadas de Big Bear (cidade montanhosa ameaçada pelo fogo em San Bernardino) poderão voltar hoje para suas casas”, disse a funcionária.

Um total de 4.211 bombeiros conseguiram conter as chamas em 65% de um dos focos da região, chamado de “velho incêndio”, que arrasou 36.940 hectares e provocou a morte de quatro pessoas. O incêndio “Grand Prix”, que também afetou a comunidade montanhosa, já estava 95% controlado. Mais de 60 mil hectares de San Bernardino foram atingidos pelas chamas.

Em San Diego, sul da Califórnia, a batalha foi vencida hoje, segundo os bombeiros, depois de um intenso combate ao fogo que deixou um saldo de 16 mortos, 155.334 hectares e 2.393 residências destruídas. As chamas foram tão intensas nesta região que ultrapassaram a fronteira e se dirigiram ao México, onde provocaram a morte de pelo menos duas pessoas.

Uma das situações mais ferozes, “o incêndio do Cedro”, que entrou para a história como o pior da Califórnia, provocou a morte de 14 pessoas, calcinou 113.986 hectares e acabou com 2.234 casas, informou Barbara Daskoski, do departamento florestal americano.

Um total de 1.608 bombeiros tentam vencer outro foco, “o paraíso”, controlado em 60%, no qual duas pessoas morreram e 22.945 hectares foram arrasados.

O secretário de Segurança Interna Tom Ridge visitou ontem a região de Claremont, leste de Los Angeles. “A visão da catástrofe te deixa sem alento”, disse Ridge aos jornalistas, ao lado do governador democrata Gray Davis.

Os especialistas não acreditam que a tragédia provoque um grande prejuízo na economia californiana, que destina uma parte de seu orçamento ao combate de catástrofes, mas as expectativas estão voltadas para o valor da ajuda que o governo do presidente George W. Bush concederá ao estado. As autoridades investigam a causa dos incêndios, pois pelo menos dois deles foram provocados intencionalmente.