Cade veta compra da Garoto pela Nestlé

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 3 de fevereiro de 2005 as 19:32, por: cdb

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) vetou a operação de compra da empresa Chocolates Garoto pela Nestlé. O veto foi publicado hoje no Diário Oficial da União. Segundo o conselheiro do Cade Roberto Pfeiffer, caberá à Nestlé contratar uma empresa de consultoria para levantar o preço da Garoto para que seja colocada à venda. O prazo de alienação da Garoto, pela Nestlé, é de 150 dias.

Roberto Pfeiffer destacou que ainda cabe um recurso administrativo da multinacional junto ao Cade. A Nestlé pode entrar com um “embargo de declaração”, alegando algum vício na decisão publicada pelo Cade no Diário Oficial da União. Este é o último recurso administrativo junto ao conselho.

Se for negado, a Nestlé só terá como opção recorrer ao Judiciário para tentar manter a compra da Garoto.

Pfeiffer informou que duas empresas multinacionais já declararam publicamente interesse em adquirir a Garoto: a norte-americana Mars e a inglesa Cadbury Adams. No entanto, caso não apareça comprador para a Chocolates Garoto, o processo poderá retornar ao conselho para
reavaliação, havendo inclusive com a possibilidade de manter sua incorporação à Nestlé, disse Pfeiffer. “Isso dependeria da inviabilidade da venda”, acrescentou o conselheiro do Cade.

O mercado brasileiro de chocolates é dominado basicamente por três empresas: Lacta, Nestlé e Garoto. Com a absorção da Garoto pela Nestlé, o mercado ficou “extremamente concentrado”, especialmente no que tange ao setor de cobertura de chocolates que estaria 90% nas mãos da Nestlé, informou o Pffeifer.

Foi justamente esta alta concentração, aliada à dificuldade de entrada de novas empresas no mercado e à possibilidade de manipulação de preços no setor, que levou o conselho a vetar a transação entre as duas empresas.