Bush promete casa e imigração fácil a hispânicos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de março de 2004 as 21:19, por: cdb

O presidente norte-americano George W. Bush tentou seduzir o eleitorado hispânico em dois Estados do sudoeste dos Estados Unidos com mensagens otimistas sobre reforma nas leis de imigração e ajuda às minorias na compra de casa própria. “O grande sonho quando se fala da América é: eu poderia ter minha casa própria”, afirmou ele em um comício ao ar livre em Albuquerque, Novo México, onde prometeu que mutuários receberão ajuda federal, como empréstimos sem juros e créditos para pagamento de impostos. “O papel do governo é ajudar as pessoas a realizar um sonho, não ser um obstáculo”.

No Novo México e no Arizona, dois Estados que podem ser importantes na sua disputa com o democrata John Kerry em novembro, o presidente republicano se apresentou como um vizinho do Texas, conhecedor das preocupações das famílias de baixa renda que tentam realizar o sonho americano.

Bush rapidamente usou esse assunto para abordar questões como saúde e previdência, amplamente cobertas por produtos do mercado financeiro particular. O sonho americano, segundo ele, não se limita a ter uma casa ou uma empresa, mas também pode ser resumido nessas palavras: “Eu poderia possuir e gerenciar minha própria conta de seguro-saúde e meu próprio plano de aposentadoria”, declarou.

“Queremos que as pessoas sejam donas de alguma coisa na América. É disso que trata o sonho”, garantiu Bush, acrescentando que, graças ao alívio tributário de US$ 1,7 trilhão promovido por seu governo, a taxa nacional de propriedade de casas próprias atingiu o recorde de 68%.

As aparições de Bush no sudoeste não foram oficialmente consideradas eventos de campanha. Mas analistas dizem que o tema da casa própria tem um apelo evidente em Estados com populações hispânicas consideráveis.

Da mesma forma, interessa aos hispânicos a proposta que ele fez de reforma na imigração, que permitiria a mexicanos entrarem nos EUA com vistos de trabalho temporários. “Temos uma política que incentiva documentos falsos e contrabandistas”, disse Bush em Albuquerque, enfatizando que não estava propondo uma anistia para imigrantes ilegais.

Em 2000, Bush foi derrotado no Novo México pelo democrata Al Gore por uma margem de menos de 400 votos. No Arizona, ele foi vencedor por seis pontos percentuais.

Os hispânicos representam cerca de 40% da população do Novo México, cujo popular governador, o democrata Bill Richardson, já foi citado como possível companheiro de chapa de Kerry.

Bush também falou em um centro de ensino de marcenaria em Phoenix, Arizona, e se sentou em um palco ao lado de um hispânico que acaba de comprar sua casa. De camisa azul diante de uma audiência que incluía marceneiros sindicalizados, brincou: “Estou vestido como marceneiro”.

Pesquisa recente mostra que Kerry e Bush estão praticamente empatados no Arizona — 46% para o democrata e 44% para o presidente, com margem de erro de 4,7 pontos. “Não é um Estado que ele possa considerar ganho”, disse Bruce Merrill, professor de Jornalismo na Universidade Estadual local e coordenador da pesquisa.