Bush é tema de documentário em festival de cinema argentino

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de março de 2003 as 10:09, por: cdb

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, é tema do documentário “Horns and Halos” (Chifres e auréolas), de Michael Galinsky e Suki Hawley, que estréia nesta quarta-feira na mostra paralela do 18º Festival Internacional de Mar del Plata.

Não é um filme para que Bush ou o país se orgulhem de suas imagens. No estilo investigativo, o documentário destrincha o lançamento do livro “Fortunate Son”, de J.H. Hatfield, que aborda uma suposta detenção de Bush, em 1972, por porte de cocaína.

Os cineastas pretenderam demonstrar os jogos de interesses (específicos e inter-relacionados) do mercado editorial -o autor do livro e sua editora são obscuros e se envolveram posteriormente numa disputa de múltiplas acusações-, da mídia, pela forma como explorou o caso, e do governo americano.

“Horns and Halos” já recebeu diversos prêmios, inclusive o de melhor documentário no Festival de Chicago e no Festival do Filme Underground de NY.

Também está em Mar del Plata o documentário “Jogando Boliche por Columbine”, de Michael Moore, que questiona o uso de armas de fogo nos EUA a partir do massacre cometido por dois adolescentes em 1999 -eles mataram a tiros 13 pessoas na escola Columbine e depois cometeram suicídio.

Os dois filmes norte-americanos na competição oficial – “Bug”, de Phil Hay e Matt Manfredi, e “All The Real Girls” (Todas as garotas reais), de David Green- tratam de personagens “perdedores”. Da Áustria, o festival apresenta o documentário “Foreigners Out!” (Fora estrangeiros), que registra protesto contra a ascensão da direita no país.

O diretor-artístico do festival, Miguel Pereira, disse à Folha que a seleção de Mar del Plata “não aspirou a uma cinematografia mais política ou social ou combativa”. “O que queremos é garantir espaço para a representação de todas as cinematografias e, dentro delas, dos vários gêneros de filmes”, disse.

Na cerimônia de abertura do festival, Pereira pediu aos convidados que lotavam o Teatro Auditorium um aplauso contra a guerra de Estados Unidos e Iraque.