Bush e seus oito mercenários

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de janeiro de 2003 as 12:47, por: cdb

Os dirigentes de oito países europeus assinaram uma carta comum para publicação na edição de quinta-feira do jornal londrino The Times, pedindo à Europa que apoie os Estados Unidos em seu esforço para desarmar o Iraque.

França e Alemanha, que já se pronunciaram vigorosamente contra uma ação militar unilateral dos Estados Unidos, e defenderam a prorrogação do trabalho dos inspetores de armas, não assinaram a carta de apoio a Washington.

No texto, os líderes da Grã-Bretanha, Espanha, Itália, Portugal, Hungria, Dinamarca, Polônia e República Tcheca alertam que a credibilidade da ONU está em jogo nesta crise.

“Nossa força reside na unidade”, diz a carta, acrescentando que o informe dos inspetores de desarmamento da ONU, divulgado na segunda-feira, confirma o comportamento do presidente iraquiano, Saddam Hussein, de não demonstrar empenho em promover o desarmamento do país.

Segundo os signatários da carta, a conduta do líder iraquiano é “mentirosa, de negação e de rejeição para se submeter às advertências”.

Os signatários da carta ressalta que os atentados de 11 de setembro de 2001 mostram como os terroristas podem ir longe .

“A relação transatlântica não deve converter-se em vítima das persistentes tentativas do atual regime iraquiano de ameaçar a segurança mundial”, disse o comunicado, ressaltando que, agora, mais que nunca, é vital preservar a unidade e a coesão.

“Sabemos que o êxito na batalha do dia a dia contra o terorismo e a proliferação de armas de destruição em massa exigem uma determinação férrea e uma coesão internacional firme da parte de todos os países para os quais a liberdade é algo precioso”.

O texto está assinado pelos primeiros-ministros britânico, Tony Blair; italiano, Silvio Berlusconi; espanhol, José María Aznar; português, José Manuel Barroso; húngaro, Peter Medgyessy; polonês, Leszek Miller; dinamarquês, Anders Fogh Rasmussen, e pelo presidente checo, Vaclav Havel.