Bush diz que mundo não vai tolerar armas nucleares no Irã

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de junho de 2003 as 17:47, por: cdb

O presidente norte-americano George W. Bush disse nesta quarta-feira que ele e outros líderes mundiais não vão tolerar armas nucleares no Irã, e pediu que Teerã trate os manifestantes que buscam derrubar o governo islâmico com “o maior respeito”.

Foram suas palavras mais duras sobre o Irã desde que incluiu o país em um “eixo do mal” junto com Coréia do Norte e Iraque em janeiro de 2002. O Irã é acusado de produzir armas nucleares, algo que seu governo nega.

– A comunidade internacional deve se reunir para deixar muito claro para o Irã que não vamos tolerar a construção de um arma nuclear. O Irã seria perigoso se tivesse uma arma nuclear – disse Bush a jornalistas após uma reunião na Casa Branca.

Pouco antes, o representante americano para a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), Kenneth Brill, disse em Viena que o programa nuclear iraniano é “muito preocupante” porque visa desenvolver armas atômicas.

– As provas existentes confirmam que o programa nuclear iraniano é muito preocupante – declarou Brill para o Conselho de Diretores, o órgão executivo da autoridade de regula e observa estações nucleares para as Nações Unidas, reunido nesta quarta-feira na capital austríaca.

Protestos

Várias cidades iranianas foram palco de tumultos, na madrugada desta quarta-feira, onde ocorreram protestos contra o regime islâmico. As manifestações acontecem há mais de uma semana no país. Nesta quarta-feira, dezenas de pessoas foram detidas, segundo informações da imprensa iraniana.

Segundo a agência oficial de notícias do país, Irna, um grande número de “agitadores” participou de confrontos com as forças da policiais nas cidades de Kerman (sudeste), Yazd (sudoeste) e Tabriz (noroeste).

Em Kerman, os tumultos tiveram início quando, durante um protesto de estudantes universitários, alguns manifestantes começaram a lançar pedras contra a polícia, que respondeu aos ataques com bombas de gás lacrimogêneo.

Os protestos no Irã tiveram início na semana passada, quando centenas de estudantes se manifestaram em Teerã (capital) contra a privatização das universidades.

Essas manifestações refletem o descontentamento dos jovens com o regime religioso islâmico, e atingem também outros setores da população.