Bush diz que EUA não aprovam torturas de prisioneiros

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 28 de outubro de 2006 as 09:39, por: cdb

O presidente Americano, George W. Bush, repetiu na sexta-feira que sua administração não aprova o uso de tortura, apesar dos comentários de seu vice, Dick Cheney. Em uma entrevista esta semana, Cheney havia dito que a técnica de afogamento durante interrogatórios seria um ‘procedimento óbvio’ para salvar a vida de americanos.

A declaração provocou ultraje em grupos de defesa dos direitos humanos.

– Este país não tortura e não vai torturar – disse Bush, que não comentou técnicas específicas usadas nos interrogatórios.

– Vamos interrogar pessoas capturadas em campos de batalha para determiner se elas têm ou não informações úteis para proteger este país.

Mensagem

Durante uma entrevista na terça-feira, o apresentador de rádio conservador Scott Hennen perguntou a Cheney se ele concordava que ‘mergulhar um suspeito na água seria um procedimento óbvio’ se isso gerasse informações sobre ataques iminentes e salvasse vidas.

Cheney disse que ‘é óbvio para mim’, antes de dizer que não estava defendendo o uso de tortura, mas sim de um programa de interrogatórios robusto.

– O vice-presidente falou em linhas gerais sobre um programa de interrogatórios que é legal para salvar vidas americanas e não se referia à técnica de afogamento – disse o porta-voz da Casa Branca, Tony Snow.

O correspondente da BBC em Washington Justin Webb levanta possibilidade de que, com menos de duas semanas para as eleições parlamentares, o vice-presidente estaria mandando uma mensagem para os eleitores mais ‘linha-dura’ dos republicanos de que a técnica ainda estaria sendo usada.

Para Webb, quando um projeto de lei sobre terrorismo foi apresentado pela administração, recentemente, foi dada a impressão de que a técnica não estaria sendo usada nos interrogatórios.

A polêmica em torno dos interrogatórios americanos cresceu após o surgimento de evidências de abuso de prisioneiros no Afeganistão, no Iraque e da revelação da existência de prisões secretas da CIA.