Bush decreta sul da Califórnia área de desastre

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de outubro de 2003 as 10:44, por: cdb

Por causa do enorme incêndio que já matou 13 pessoas e provocou bilhões de dólares de prejuízo, o presidente George W. Bush decretou o sul da Califórnia área de desastre na segunda-feira.

Com isso, a região pode ter acesso a recursos especiais da União, entre eles, para abrigos de emergência e empréstimos a baixo custo para cobrir os prejuízos de perdas não seguradas.

Cerca de 900 imóveis foram destruídos, dezenas de milhares de pessoas tiveram que abandonar as suas casas, e calcula-se que o prejuízo das seguradoras pode atingir US$ 100 bilhões (cerca de US$ 290 bilhões).

O presidente Bush classificou o incêndio de “devastador e perigoso” e prometeu toda a ajuda que o governo federal puder oferecer.

Os desabrigados receberão ajuda em dinheiro vivo para encontrar abrigo temporário e reconstruir as suas casas.

Recorde

Até agora, pelo menos 13 pessoas morreram – o maior número de vítimas fatais em incêndios na Califórnia em 50 anos.

Acredita-se que até 50 mil pessoas tenham sido forçadas a abandonar suas casas nos últimos dias, e muitas estradas tiveram que ser fechadas.

Existem pelo menos seis focos de incêndio, que estão devastando áreas que vão desde a fronteira com o México até subúrbios ao norte de Los Angeles.

Distritos dos municípios de Los Angeles, San Bernardino, San Diego e Ventura declararam estado de emergência.

Nessas regiões, as autoridades estão combatendo as chamas em dez frentes diferentes.

O governador da Califórnia, Gray Davis – que está deixando o cargo – fez um apelo por recursos federais para ajudar a pagar a operação de emergência.

Fortes ventos estão alimentando as chamas, e as autoridades não têm previsão de quando quando o fogo será controlado.

Vôos nacionais e internacionais na região de San Diego foram prejudicados por causa da retirada dos funcionários de uma unidade de controle de tráfego aéreo afetada pelo incêndio.

Mais de 120 mil hectares foram destruídos até agora, o equivalente a 120 mil campos de futebol.

Dezenas dos 2,5 mil bombeiros que estão combatendo os incêndios sofreram queimaduras ou ficaram sufocados pela fumaça.

A qualidade do ar está sendo descrita como “terrível” e as autoridades regionais estão recomendando as pessoas para que limitem ou suspendam atividades na rua.

Rodovias interestaduais foram fechadas e redes de energia elétrica estão ameaçadas, levando as empresas do setor energético a pedir às pessoas que poupem energia.