Bush apóia Putin quanto ao programa nuclear do Irã

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 18 de novembro de 2005 as 12:21, por: cdb

 O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, apoiou nesta sexta-feira a iniciativa do seu colega russo, Vladimir Putin, para resolver o impasse sobre o programa nuclear iraniano. Os dois governantes se reuniram durante cerca de uma hora antes de participarem da cúpula da Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico (Apec), na Coréia do Sul. Conversaram também sobre Coréia do Norte, Síria, Oriente Médio, Chechênia, Iraque, gripe aviária e outros assuntos, mas aparentemente evitaram temas em que há discordâncias explícitas.

Pela proposta russa, o Irã manteria a produção de combustível nuclear, desde que transferisse a etapa mais estratégica, o enriquecimento de urânio, para a Rússia. Grã-Bretanha, França e Alemanha, que tentaram negociar a questão nuclear com o Irã, já deram aval à idéia. – O presidente agradeceu ao presidente Putin por sua posição e considerou que a iniciativa apresentada por eles (russos) sobre recuperação de combustível era útil ao processo, disse Dan Bartlett, assessor de Bush.

Países ocidentais suspeitam que o Irã esteja desenvolvendo armas nucleares. Teerã diz que seu programa atômico é voltado exclusivamente para atividades de geração de eletricidade. Bartlett disse que os dois líderes não discutiram a possibilidade de levar o caso do Irã ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), que poderia impor sanções. Moscou vê com reservas tal hipótese.

Bush e Putin conversaram amigavelmente diante de jornalistas antes do início da reunião. Segundo Bartlett, o clima ameno prosseguiu a portas fechadas. Ambos declararam o desejo de que a Coréia do Norte abandone o seu programa nuclear e que a Síria colabore com as investigações sobre a morte do ex-primeiro-ministro libanês Rafik al-Hariri.

Mas Bush pode enfrentar um revés durante sua visita caso a anfitriã Coréia do Sul confirme os rumores de que pretende retirar parte das suas tropas do Iraque. Um porta-voz do Ministério da Defesa local disse que a intenção é reduzir em um terço o contingente sul-coreano no Iraque a partir do primeiro semestre de 2006. Reunido na quinta-feira com o presidente sul-coreano, Roh Myun-hoo, Bush elogiou a contribuição sul-coreana no Iraque, e seus assessores lembraram que se trata do terceiro maior grupo militar no país, atrás apenas de EUA e Grã-Bretanha. A Casa Branca insistiu que não houve confirmação oficial da retirada.

Bush também se encontrou com líderes da Associação de Nações do Sudeste Asiático e com autoridades de Peru, Canadá e México.