Bush ameaça romper tratado antimísseis e pressiona negociação com a Rússia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 24 de agosto de 2001 as 11:49, por: cdb

Bush anuncia que EUA irão romper com o Tratado Antimísseis

Presidente Bush disse nesta quinta-feira que os Estados Unidos irão se retirar do Tratado Antimísseis Balísticos de 1972 (TAB) “numa época conveniente para a América”. Mas ele insistiu que “não tem uma data certa em mente” sobre quando ele irá se desembaraçar do acordo para que sua administração inicie os testes do novo sistema de defesa, proibido pelo tratado.

Seus comentários, feitos enquanto visitava uma escola primária na cidade, marcaram a mais definitiva declaração de que ele pretende se retirar do tratado. Até então, ele havia dito que os Estados Unidos só abandonariam o tratado se não conseguissem chegar a um novo acordo com a Rússia sobre sistemas de defesa. Mas as palavras duras usadas podem ser uma estratégia para pressionar o presidente russo Vladimir Putin a iniciar as negociações.

Bush começou sua declaração dizendo, “Não temos data” para o rompimento do tratado. Por simples aritmética, a esperança do Pentágono de poder iniciar os testes no segundo trimestre de 2002 exigiria uma declaração oficial do governo, até o final deste ano, de que, pela primeira vez, estaria abandonando unilateralmente um importante tratado de controle de armas. Tanto a Rússia quanto os EUA têm o direito de se retirar do acordo após uma notificação com seis meses de antecedência.

Já há meses não há dúvida de que Bush se livraria do TAB. Mas a questão sempre focalizou como ele faria isso – com a cooperação da Rússia e, assim, dos aliados europeus, ou contra suas objeções.

Representantes europeus queixaram-se de que os aconselhamentos de Bush serviam apenas como publicidade. Mas quando Bush fez sua mais recente viagem à Europa no final de Julho, ele descobriu que alguns líderes europeus estariam dispostos a pôr fim ao tratado se Putin cooperasse. Mesmo Putin parecia aberto às discussões após o encontro com Bush em Gênova, Itália, mas os representantes russos mantiveram sua resistência às negociações, inclusive sobre como eles poderiam contribuir com a tecnologia antimísseis.

Os comentários do presidente seguem as observações feitas pelo Sub-Secretário de Estado, John R. Bolton, em Moscou. No início desta semana, Bolton parecia sugerir que a retirada do tratado seria anunciada em novembro, próximo da época em que Bush deverá se encontrar com Putin em sua fazendo no Texas. Mas na quarta-feira, Bolton negou ter estabelecido qualquer data, tanto em suas reuniões com os russos, quanto na entrevista à rádio russa.