BUROCRACIA DIFICULTA OBRAS NO COLISEU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de janeiro de 2012 as 13:40, por: cdb

ROMA, 26 JAN (ANSA) – O prefeito de Roma, Gianni Alemanno, criticou hoje a burocracia na Itália, ao comentar sobre a restauração do Coliseu, e pediu o fim os litígios “de recursos e contra-recursos que, além de desnecessários, só adiam o início indispensável das obras para recuperar o monumento mais importante do mundo”.
   
Ele explicou que, “depois que um sindicato retirou um recurso, ainda nos debatemos com outro recurso apresentado pela Codacons”, uma entidade italiana que reúne associações de defesa dos direitos do consumidor.
   
Autoridades italianas estavam negando a entrega do financiamento da restauração do Coliseu a um grupo de calçados alegando temer que a empresa tivesse a intenção de “vender” o monumento ou de que houvesse um processo de “privatização” desse espaço.
   
“Tive a idéia de envolver empresas privadas na restauração há dois anos e meio. [O empresário italiano do ramo de calçados Diego] Della Valle ofereceu 25 milhões de euros [cerca de R$ 57 milhões], apresentamos a solicitação ao Ministério e por dois anos houve uma luta ‘corpo a corpo’ para que aceitassem o dinheiro. E hoje, depois que um sindicato retirou um recurso, ainda estamos brigando”, disse Alemanno.
   
O prefeito cobra o início das obras de restauração desde dezembro, alegando ser “fundamental começar o quanto antes” e que “não é possível manter o Coliseu neste estado precário. A intervenção é urgente até para garantir a segurança do monumento”. (ANSA)