Burocracia deixa índios de Dourados sem cestas básicas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007 as 12:14, por: cdb

A burocracia impediu que 5.500 cestas básicas fossem distribuídas aos índios da reserva de Dourados, em Mato Grosso do Sul, agravando o problema de desnutrição entre as crianças da aldeia. Houve atraso de um mês na entrega dos alimentos no começo deste ano. Só agora a situação começa a se normalizar. 

Segundo o coordenador da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) no Estado, Sérgio Rios, faltou dinheiro para a contratação do frete porque houve demora na aprovação do Orçamento geral da União. – Acredito que daqui pra frente não vai haver descontinuidade no fornecimento dos alimentos – disse.

Apesar da declaração de Rios, os índios estão preocupados. Albino e Mirian Montania têm sete filhos. Eles receberam a cesta do governo federal na terça-feira, mas só deu pra duas refeições. Já na noite de quarta, o casal não sabia o que vai fazer pra alimentar todas as crianças.

É um problema antigo: no ano passado, sem ter o que comer, as duas filhas mais novas foram internadas com problemas de desnutrição. – Dá vontade de chorar. O que vou dá pras crianças? – questiona Albino.

Há dois anos, quando 56 crianças morreram com o problema, o governo federal decidiu contratar mais médicos e ampliar a distribuição de comida.

O problema não foi resolvido. Segundo a Fundação Nacional da Saúde (Funasa), no fim do ano passado, 15 crianças estavam com desnutrição severa na reserva. Em janeiro deste ano, o número subiu para 27. Há 20 dias, um bebê de nove meses morreu com infecção generalizada. De acordo com o atestado de óbito, o quadro foi agravado pela desnutrição. – A gente sabe que é uma população de risco – afirma o médico da Funasa, Zelick Trajeb.