Brasileiro vira herói em Nova York

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 11 de outubro de 2003 as 14:30, por: cdb

Arriscando a própria vida, o mineiro Assad Halabi, 22 anos, natural de Governador Valadares, desafiou as fortes correntezas do Rio Hudson, em Nova York, e, nadando, salvou a vida de uma mulher de origem asiática, de 32 anos, que tentava suicídio, após saltar da ponte George Washington. Dezenas de pessoas ao redor da ponte assistiram à ação do brasileiro.

Assad é segurança do Port Authority, órgão que administra a George Washington Bridge, e estava trabalhando num dos pilares quando seus companheiros viram a mulher em desespero, saltando de uma altura de 65 metros, nas águas geladas. Resolveram jogar uma corda, mas a mulher não a agarrou.

“Como o vento estava forte e a correnteza puxando muito, percebemos que só mesmo nadando para tentar salvar a pessoa. E eu era o único da turma que sabia nadar. Resolvi, então, arriscar”, revelou Assad. Mesmo sem equipamentos apropriados, ele pediu aos amigos que amarrassem a mesma corda em volta do seu corpo, para não ser arrastado pelas águas, como acontecia com a mulher.

Em seguida, o mineiro desceu pela estrutura da ponte, saltou na água e nadou cerca de 19 metros. “A mulher começou a afundar e tinha machucado a perna, que sangrava bastante”, lembrou. Ele disse que a corda foi sua salvação. “Eu poderia ter morrido, se tentasse pular sem nada que me protegesse. E, naquele instante, seria pior se eu não tivesse saltado, pois teria que conviver com a consciência pesada pelo resto da vida”, comentou.

A suicida aparentemente havia acabado de sair de um hospital, pois portava a pulseira de identificação utilizada por pacientes, disse a polícia local. Funcionários da ponte disseram que ela chegou de táxi. O veículo parou no meio da ponte.

Assad conta que passou por momentos de perigo. “Quando segurei sua blusa, ela se apoiou em mim, querendo que eu afundasse também. Daí eu disse a ela que estava tudo seguro. Ela me soltou e eu comecei a nadar de volta à margem”, detalhou.

A polícia confirmou que, todo mês, pelo menos duas pessoas tentam se matar no local. E, segundo registros do posto policial da área, nos últimos 27 anos, de todas as pessoas que tentaram suicídio, somente duas escaparam com vida.

De descendência libanesa, o brasileiro mora nos Estados Unidos desde os 8 anos de idade. Vive com os pais, Samir e Angela Halabi, ambos de Governador Valadares, no Leste de Minas.

Depois do gesto heróico, Assad foi entrevistado como herói por jornais e revistas americanos. “Ele é o orgulho da casa e um exemplo positivo para a comunidade. Mesmo morando nos Estados Unidos há tempos, ele não perde o contato com o Brasil, pois assiste, freqüentemente, os canais de TV brasileiros. Além de viajar todo ano para Minas”, contou, entusiasmada, a mãe de Assad ao jornal Brazilian Voice.