Brasileiro continua desaparecido no Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 21 de janeiro de 2005 as 09:36, por: cdb

Continua desaparecido no Iraque o brasileiro que trabalha para a construtora Norberto Odebrecht naquele país. Segundo fontes da empresa, ele é carioca e estava em um comboio que foi atacado por rebeldes, em que morreram três pessoas.

As autoridades brasileiras e iraquianas trabalham com a hipótese de seqüestro. A exigência de não divulgar o nome do seqüestrado estaria sendo feita pela seguradora, para não criar problemas em futuras negociações, já que a hipótese com que trabalham é de seqüestro criminoso. Ainda segundo a fonte, todos os funcionários enviados ao Iraque possuem seguro de vida, já que a área é de alto risco.

Mais cedo, a Odebrecht decidiu retirar todos seus funcionários do Iraque na manhã de quarta-feira, noticiou a BBC Brasil. Em entrevista ao serviço de notícias em português da BBC, o chefe de operações da empresa no Iraque, Glaibor Faria, afirmou que os “cinco a seis” empregados no Iraque serão levados para Amã, capital da Jordânia, até que se tenham “condições de rever o processo”. Na sede da empresa, em São Paulo, a informação não foi confirmada.

Ataques a funcionários estrangeiros de empresas que trabalham na reconstrução do Iraque são comuns, e dezenas já foram seqüestradas por insurgentes iraquianos e terroristas. Mas nunca um brasileiro havia sido vítima deste tipo de violência.

Glaibor Faria, que deve permanecer no Iraque, disse que não há novas informações sobre o funcionário – desaparecido após uma emboscada em que duas pessoas que estavam com ele morreram -, mas que o mais provável é que ele tenha sido levado por criminosos comuns.

O diplomata brasileiro Paulo Joppert, do Núcleo de Assuntos Iraquianos da Embaixada do Brasil em Amã, também acha provável que o brasileiro tenha sido levado por criminosos, e não por terroristas estrangeiros ou rebeldes iraquianos.