Brasileira é uma das favoritas ao Miss Universo que acontece nesta terça

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 3 de junho de 2003 as 21:29, por: cdb

O concurso Miss Universo 2003 que acontece nesta noite será transmitido pela TV Bandeirantes e deve ser visto por 600 milhões de pessoas em todo mundo. A Miss Brasil é uma das favoritas ao título.

A cerimônia vai se realizar em um novo centro de convenções, o Panamá Canal Village, construído no antigo forte norte-americano de Amador, na entrada do canal marítimo, no Pacífico.

Nesta segunda, especulações diziam que a miss Brasil Gislaine Ferreira era a favorita a levar a coroa de Miss Universo, entre 72 mulheres de cinco continentes. De acordo com o site Global Beauties, a brasileira liderava a bolsa de apostas que agora aponta a miss África do Sul como a provável vencedora.

O site sugere também os nomes das 15 finalistas: África do Sul, Brasil, Japão, Grécia, Peru, Sérvia, República Checa, Estados Unidos, Turquia, Itália, República Dominicana, Panamá, Espanha, Venezuela e Namíbia.

A vencedora será a 52.ª rainha deste concurso de beleza que acontece ininterruptamente desde 1952, quando foi criado oficialmente, em Long Beach, na Califórnia/EUA.

Segundo o site oficial do concurso, http://www.missbrasiloficial.com.br/index2.html, o Brasil só entrou em 1954, marcando a história com a baiana Marta Rocha, então Miss Brasil, que perdeu o título de Miss Universo por duas polegadas a mais no quadril.

Ela e a atriz Vera Fisher, Miss Brasil 1969, estão entre as mais famosas misses que o país já conheceu. A gaúcha Ieda Maria Vargas conquistou a faixa de Miss Universo em 1963 e a baiana Marta Vasconcellos, em 1968.

A Miss Universo de 2003 sairá de um grupo de 15 mulheres que foi selecionado na semana passada, após os desfiles em traje de banho e de noite. Os nomes das semifinalistas são mantidos em segredo até a escolha final, nesta noite.

A vencedora receberá a coroa da panamenha Justine Pasek, que substitui a russa Oxana Fedorova, que perdeu a coroa no começo do ano passado por não ter cuprido exigências da organização, segundo informou a organização Miss Universo, sem dar detalhes sobre o ocorrido.

O governo do Panamá investiu US$ 10 milhões no evento, determinou feriado das repartições públicas nesta tarde e ordenou o fechamento do Instituto Nacional e da Universidade do Panamá, cujos estudantes protestaram nas ruas a semana passada contra o concurso.