Brasil vai votar por Venezuela no Mercosul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 9 de dezembro de 2005 as 13:39, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou da abertura dos trabalhos da 29ª Reunião de Cúpula do Mercosul, realizada entre esta sexta-feira e o sábado, em Montevidéu (Uruguai) e comentou com interlocutores que é um entusiasta do ingresso da Venezuela no grupo econômico. O encontro tem por objetivo discutir, entre outros temas, o ingresso do país governado pelo presidente Hugo Chávez como membro pleno do bloco, além de alterações na constituição do Parlamento do Mercosul.

Durante o encontro, projetos importantes devem ser aprovados, como o programa comum de combate à febre aftosa; a regulamentação da livre circulação de bens nos países do bloco; e o texto da Estratégia Mercosul de Crescimento de Emprego, que permitirá a adoção de políticas comuns de combate ao desemprego e de promoção do trabalho. Sobre o Parlamento do Mercosul, os presidentes dos quatro países – Lula, do Brasil; Nicanor Duarte, do Paraguai; Nestor Kirchner, da Argentina; e Tabaré Vasquez, do Uruguai – vão assinar protocolo de constituição do organismo, que deve ser instalado até dezembro de 2006 na capital uruguaia.

Ao fim da cúpula do Mercosul, Lula participa de reunião reservada com os presidentes da Argentina, Nestor Kirchner, e da Venezuela, Hugo Chávez. No encontro, vão discutir a integração nas áreas energética, social e econômica. Também devem tratar do projeto de construção de um gasoduto ligando os três países. Na seqüência, o presidente brasileiro vai à reunião extraordinária da Comunidade Sul-americana de Nações.

Acordos

Segundo o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, que também está em Montevidéu, dois acordos foram fechados com o Paraguai. O primeiro prevê a construção de uma ponte entre os dois países. A obra deve custar em torno de US$ 50 milhões e, de acordo com Amorim, o governo brasileiro vai pagar o empreendimento.

Amorim explicou que o outro acordo fechado atende a uma reivindicação antiga do Paraguai. Segundo o ministro, o governo brasileiro vai pagar mais US$ 21 milhões por ano aos paraguaios por parte da energia gerada na Hidrelétrica de Itaipu. Sobre a entrada da Venezuela no Mercosul como membro-pleno do grupo, Amorim afirmou que vai ser “importante e dará equilíbrio” ao bloco. A expectativa é de que a Venezuela já saia desse encontro como “membro em vias de adesão” do Mercosul.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse a jornalistas que “já se considera no Mercosul”. Também acompanham o presidente Lula na viagem os ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior, Luiz Fernando Furlan, e o de Minas e Energia, Silas Rondeau.