Brasil terá representante na Feira Internacional do Livro de Cuba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 2 de fevereiro de 2005 as 18:45, por: cdb

O programa de Bibliotecas Rurais Arca das Letras, da Secretaria de Reordenamento Agrário do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), participará da 14ª Feira Internacional do Livro em Cuba, de 3 a 13 de fevereiro na Fortaleza de San Carlo de la Cabaña, em Havana, que terá o Brasil como convidado especial.

O projeto Arca das Letras foi criado em dezembro de 2003 com o objetivo de atender às necessidades de ações específicas de bibliotecas para o meio rural. Segundo a coordenadora do programa, Cleide Soares:

– Cada comunidade participa das indicações de livros que deseja ter e do local de funcionamento das bibliotecas e escolhe quem serão seus agentes de leitura voluntários, responsáveis pelo manuseio dos livros.

O acervo de cada biblioteca é diferenciado e atende às demandas dos moradores do município. Em cada Arca, cabem cerca de 200 livros. Mas o número de exemplares pode ser ainda maior.

– Com o tempo, as bibliotecas recebem atualização de acervo. O projeto continua mandando novos títulos e nós incentivamos as comunidades a fazerem suas campanhas locais para arrecadar mais livros. A Arca é apenas uma célula – explica a coordenadora.

Segundo a agente de leitura de Vila Ceará (RN), Edna Moreno, os jovens e os adultos são os que mais procuram a biblioteca do município.

– Muitos não puderam ou não quiseram estudar quando crianças. Depois que a Arca chegou, as pessoas daqui começaram a ter maior interesse pela leitura. A gente recebe cerca de 15 leitores por semana – calcula.

A parceria entre MDA e os Ministérios da Educação, da Cultura e da Justiça já conseguiu distribuir 437 Arcas, em 2004, e espera entregar mais mil unidades em todo o país este ano. Em março, todas as comunidades quilombolas do estado de Pernambuco devem ser beneficiadas.

A Arca de Leitura levada para a Feira Internacional de Cuba será doada para uma instituição escolhida pelo governo cubano.

– A idéia é que essa biblioteca possa atender também aos brasileiros que estudam ou moram em Cuba e também aos cubanos – justifica Soares.