Brasil quer adiantar o pagamento ao FMI

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de dezembro de 2005 as 00:41, por: cdb

O Brasil vai quitar a última parcela do empréstimo com o FMI e economizar quase US$ 1 bilhão com o pagamento do serviço da dívida. O anúncio da decisão aconteceu no final da noite desta terça-feira e o ministro da Fazanda, Antonio Palocci, acrescentou que os juros deverão baixar segundo a programação do Banco Central, embora reconheça a pressão de importantes setores da economia brasileira pela volta do crescimento.

Após encontro com empresários do setor automobilístico, na capital paulista, o ministro adiantou que o Brasil está preparado para efetuar o adiantamento da parcela de US$ 15,5 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e, com isso, gerar uma economia de US$ 900 milhões para os cofres públicos. Este seria o valor a ser pago sob forma de juros do empréstimo que, de acordo com as datas programadas, poderia ser quitado ao longo de 2006 e 2007.

Segundo o ministro Palocci, a decisão foi adotada após análise do alto nível das reservas internacionais, atualmente em cerca de US$ 50 bilhões. A parcela do empréstimo será quitada ainda este mês. Palocci reafirmou, ainda, que o ritmo de redução das taxas de juros será definido pelos índices inflacionários. Ele, no entanto, pede mais paciência a empresários e consumidores.

– Se é verdade, e é verdade, que o controle da inflação tem um custo para o país, a inflação tem custos ainda maiores – disse.

Palocci afirmou ainda que é natural os atuais níveis de ansiedade e pressão por um corte mais efetivo dos juros. Ele acrescentou que este processo é “parte do debate”. Para o ministro, porém, a política econômica em curso tem-se mostrado eficaz no controle dos preços e na promoção de um desenvolvimento seguro e sustentado. O ministro também fez questão de mandar um recado para o colega Luiz Fernando Furlan, ministro do Desenvolvimento e da Indústria, que o criticou por não apresentar um projeto de longo prazo para o país.

– Ele não deve perder o ânimo. Vi as declarações no jornal. Só fiquei preocupado de o ministro Furlan se confessar um pouco desanimado. E ele é o Ás de Ouro do governo – desconversou.

Para os empresários da indústria automobilística, Palocci apresentou dados positivos sobre a economia, além de um panorama no qual a recuperação do PIB neste quarto trimestre estaria presente. Ele reafirmou que a tendência é de queda dos juros nos próximos meses. Palocci também ouviu queixas dos empresários sobre a questão cambial, com a valorização do real frente ao dólar, mas preferiu não se comprometer com alterações neste setor.