Brasil envia medicamentos para crianças com Aids no Quênia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 1 de julho de 2003 as 20:37, por: cdb

A creche Nyumbani, em Nairobi, capital do Quênia, que abriga cerca de 70 crianças órfãs portadoras do HIV, recebe esta semana mais uma doação de anti-retrovirais produzidos pelo Brasil.

É a terceira vez que o Lafepe, laboratório estatal de Pernambuco, envia à creche frascos de Zidovudina oral, para compor o coquetel que é dado às crianças, com ajuda da solidariedade internacional.

As doações brasileiras giram em torno de 2.200 frascos de Zidovudina e passaram a ser feitas diretamente pelo Lafepe, mas de forma inconstante.

A partir do segundo semestre, as doações passarão a ser regulares, pois a creche Nyumbani foi a instituição selecionada pelo governo brasileiro no Quênia para fazer parte do Programa de Apoio aos Países da América Latina, África e Caribe.

Esse programa vai tratar 100 pessoas com aids em dez países que ainda não distribuem anti-retrovirais, durante um ano. O objetivo do programa é sensibilizar outros países a fazerem o mesmo, para reduzir o número de óbitos por aids e estimular os governos a promoverem amplo acesso ao tratamento.

Além do Quênia, Namíbia, Moçambique, Burundi e Burkina Faso são os países africanos que receberão ajuda brasileira. Na América Latina e no Caribe os países selecionados foram El Salvador, Colômbia, Paraguai, Guiana e República Dominicana.