Brasil encontra Cuba em show do CCBB

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de outubro de 2003 as 22:02, por: cdb

Menos conhecido por aqui do que seu conterrâneo Gonzalo Rubalcaba, o pianista cubano Ernán López-Nussa representa o que de mais moderno se faz no chamado “jazz latino” de Cuba. Ele abre nesta terça-feira uma série de encontros musicais Brasil-Cuba, no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo.

López-Nussa é uma espécie de ponte cultural entre mundos, entre a música dos pianistas cubanos clássicos, como Bola di Nieve, Rúben Gonzalez, Chucho Valdés e Emiliano Salvador, e a dos americanos mais sofisticados, como Wynton Kelly, Art Tatum, Errol Garner, Keith Jarrett e Bill Evans.

– Sim, há influências de todos esses nomes. Eles me parecem que são os pianistas autênticos, os criadores, os impulsionadores – disse López-Nussa, por telefone, de Havana, na quinta-feira.

O pianista já esteve no Brasil antes, em 2000, quando gravou o disco From Habana to Rio, no qual faz parceria com o violonista brasileiro Guinga em Baião de Lacan. Ele volta com um maravilhoso disco novo a tiracolo, Habana Report, que tem canções de Dizzy Gillespie, Kurt Weill e Brecht, e várias composições próprias. É um dos mais sofisticados trabalhos de latin jazz a aparecer em muitos anos.

Além de López-Nussa, participam do Encontro Brasil Cuba no Século 21 no CCBB os violonistas Aldo Rodríguez Delgado e Gabriel Improta, no dia 14, e o grupo Cantos Sagrados no dia 21, formado por Teresa Polledo, Oney Cumbá, Sizão Machado, Dino Barioni, Ari Colares, Sapopemba e Valdemar Pereira.

Cuba nas telas – Sem passar pelos cinemas, chega agora às locadoras brasileiras o documentário Cuba Feliz, em vídeo e DVD. O filme do diretor Karim Dridi é um panorama pela Havana dos músicos de rua. Mas quem pensar em Buena Vista Social Club, de Wim Wenders, se engana.

A diferença de “Cuba Feliz” é que, nele, não aparecem as estrelas da música cubana, e sim a gente simples e comum que vive a música nas calçadas da capital da ilha. A semelhança de temas, contudo, rendeu ao diretor uma certa discriminação por parte de críticos de todo o mundo. Certamente, “Cuba Feliz” merece ser visto e ouvido como, no máximo, primo distante de Buena Vista.

Encontro Brasil Cuba no Século 21 – Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112, Centro. Dias 7, 14 e 21 de outubro, às 13h e 19h30. Ingressos a R$ 6 e R$ 3 (estudantes e idosos).