Brasil e Colombia vão combater juntos o tráfico e terrorismo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de março de 2003 as 17:48, por: cdb

Os governos do Brasil e da Colômbia aproveitaram o encontro desta sexta-feira entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Álvaro Uribe para firmarem um compromisso formal de fortalecer o relacionamento comercial, cultural e político entre os dois países.

Após almoçar com o chefe de Estado colombiano, o presidente Lula confirmou seu compromisso de que , em seu governo, Brasil e Colômbia vão acabar com o relacionamento “meramente sentimentalista” que existe atualmente.

Para o presidente brasileiro, a visita de Uribe reforça sua tese de que a aproximação efetiva entre as nações sul-americanas é interesse não só do Brasil, mas de todo o continente, que busca um relacionamento onde não exista a “supremacia de nenhum país em relação a outros países. A presença de Uribe no Brasil é uma demonstração mais que viva de que não apenas o Brasil, mas outros países da América do Sul estão empenhados em consagrar de forma definitiva uma relação produtiva e harmoniosa, sem que nenhum deles tenha supremacia em relação a outros países”, disse.

No campo do comércio bilateral, Lula garantiu que o governo brasileiro vai buscar mecanismos para permitir que as trocas comerciais entre os dois países aumentem, mas por outro lado garantam aos colombianos uma relação mais equânime em sua balança comercial.

“A relação comercial com a Colômbia é muito pequena e tanto o presidente Uribe quanto nós, aqui do Brasil, vamos fazer um esforço muito grande para que essa relação possa crescer e para que a nossa balança comercial seja mais ou menos ajustada para que o Brasil não leve tanta vantagem nessa relação, fazendo com que a Colômbia tenha um déficit comercial muito grande”, disse Lula.

Já no campo do comércio internacional, Lula destacou a intenção em promover o diálogo entre os países do Mercosul e da Comunidade Andina para que essa aproximação fortaleça os países dos dois blocos nas negociações para a criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).

“A idéia básica é que separados, cada um tentando resolver o seu problema individualmente, nesse mundo globalizado, teremos muito mais dificuldades do que se trabalharmos conjuntamente, aparando as diferenças que temos entre os dois países e estabelecendo os pontos comuns que podem nortear a atuação do Brasil e da Colômbia”, afirmou o presidente brasileiro.

A maior preocupação da Colômbia na atualidade, no entanto, é o combate ao narcotráfico e ao terrorismo. O presidente brasileiro reforçou o compromisso do Brasil de ajudar e prestar “total solidariedade” ao governo colombiano no combate ao dois problemas, mas não adiantou como isso poderia ser feito na prática.

“Saia do Brasil com a certeza de que somos parceiros. Parceiros políticos, parceiros culturais, parceiros comerciais e parceiros para que acabemos com a violência na Colômbia e no Brasil”, disse Lula ao presidente colombiano.

Uribe agradeceu o apoio do Brasil, mas fez um alerta de que o governo brasileiro deve dar muita atenção ao problema para evitar que a situação hoje enfrentada pelos colombianos se torne realidade no Brasil. “O terrorismo destrói a democracia, a liberdade e a ecologia. (…) Hoje estão destruindo a Amazônia colombiana. Amanhã estarão destruindo a Amazônia brasileira”, disse.