Brasil, Argentina e Venezuela estudam construção de gasoduto

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 9 de dezembro de 2005 as 16:07, por: cdb

 Brasil, Argentina e Venezuela concordaram nesta sexta-feira em iniciar estudos para construção de um gigantesco gasoduto, que interligaria as três principais economias sul americanas e que poderá se ampliar a outros países, de maneira a tornar a região independente do ponto de vista energético.

O ministro de Minas e Energia do Brasil, Silas Rondeau, disse a jornalistas que o gasoduto terá uma extensão de 8 mil quilômetros e demandará investimentos entre 10 bilhões e 17 bilhões de dólares. Ele afirmou que a construção levaria cerca de 5 anos e que o gasoduto poderá abastecer Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, Paraguai, Bolívia, Peru e Colômbia.

A finalização do megaprojeto será parte dos estudos a serem realizados e dos quais poderão participar empresas privadas do setor, sinalizaram os representantes do Brasil e da Argentina sem oferecer mais detalhes. O gasoduto, que terá como maior obstáculo a Amazônia, segundo antecipou Rondeau, criará a “independência energética” da região e pemitirá que “este gás da América do Sul fique na América do Sul”.

O convênio foi assinado pelos presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, da Argentina, Néstor Kirchner, e o da Venezuela, Hugo Chávez, durante reunião em Montevidéu que marcou a entrada do país caribenho no Mercosul, também integrado por Uruguai e Paraguai.  A Venezuela, que se associou ao Mercosul na quinta-feira, possui enormes reservas de gás que, junto com sua riqueza petrolífera, foram a chave para seu ingresso no bloco de livre comércio.