Botafogo e Marília ficam no empate e garantem vaga no quadrangular final

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 21 de outubro de 2003 as 22:43, por: cdb

Sob chuva intensa, Botafogo e Marília fizeram duelo emocionante até 13 minutos do segundo tempo do jogo desta terça-feira à noite, no interior paulista. Aí a equipe da casa chegou ao empate em 2 x 2 e todos passaram a administrar o resultado, que garantiu os dois times no quadrangular final da Série B.

Almir marcou os dois gols alvinegros e Juca, de pênalti, e Delani balançaram a rede pelo Marília. O Glorioso segue na liderança do Grupo C, pois leva vantagem de dois gols no saldo: 6 x 4.

Quem apostava que os dois times jogariam pelo empate errou por muito. Logo aos 2 minutos, o Botafogo queimou seu primeiro cartucho ofensivo com sucesso: Jorginho cruzou da esquerda e Almir desviou sutilmente de cabeça para abrir o placar. O troco foi imediato. Aos 5, Andrei driblou Fernando na área e carimbou a trave direita.

O time da casa voltou à carga e conseguiu o empate quando Túlio derrubou Juca na área. Aos 10min, o próprio meia cobrou o pênalti com perfeição, acertando o canto esquerdo. Mais dois minutos e Leandrão assustou o goleiro Mauro ao disparar tiro cruzado que passou perto do alvo.

Refeito do susto, o Marília começou a se pressionar em busca do gol de empate e criou três chances seguidas de marcar. Andrei errou por pouco a cabeçada antes de Bill atirar de fora da área e obrigar o goleiro Max a se virar para evitar o gol. Aos 15, Zé Luís subiu sozinho na área e falhou na conclusão de cabeça.

O rápido atacante Basílio era a principal arma paulista. O experiente jogador aproveitava o espaço pela direita de ataque para infernizar a vida de Jorginho e, principalmente, de Edgar, que tentava fazer a cobertura. Do outro lado, Leandrão lutava muito para superar a zaga adversária. Aos 25, chegou a ganhar a disputa física com Romildo, mas chutou por cima do travessão.

Aos 32, o voluntarioso atacante só foi detido com falta, que Sandro cobrou com violência, quase acertando o ângulo esquerdo. A essa altura, o temporal desabara sobre a cidade, esfriando o Marília. Melhor para o Botafogo, que passou a cadenciar o jogo e obteve nova vantagem no marcador. Aos 41min, Valdo cruzou da direita e Almir completou na pequena área: 2 x 1.

Para a segunda etapa, o técnico Levir Culpi pôs em campo Gedeil para preservar Túlio, que tinha recebido cartão amarelo. Cada time teve uma oportunidade de balançar a rede nos minutos iniciais, ambas em tiros de fora da área. Andrei, de falta, assustou Max. Logo depois, Sandro mandou bala, Everaldo desviou para trás de cabeça e a bola tocou no travessão.

Aos 13min, o goleiro Max entregou o ouro ao bandido, perdendo o tempo da bola após cruzamento da direita. Delani ganhou a disputa pelo alto duas vezes, cabeceando para cima e depois completando sem jeito para empatar o duelo.

A partir daí, as duas equipes se abstiveram de jogar, deixando o tempo passar porque o empate era sinônimo de classificação. A passagem direta da quinta marcha para o ponto morto só foi ruim para Remo e Náutico, que foram prematuramente eliminados da competição.

MARÍLIA 2 x 2 BOTAFOGO

Marília
Mauro, Rogério Souza, Romildo, Andrei e Bill; Zé Luís, Éder, Juca (Bechara) e Everaldo; Basílio (Camanducaia) e Delani (Alexandre Sales).
Técnico: Luís Carlos Ferreira

Botafogo
Max, Márcio Gomes, Sandro, Edgar e Jorginho; Túlio (Gedeil), Fernando, Valdo e Camacho (Têti); Almir e Leandrão (Edivaldo).
Técnico: Levir Culpi

Data: 21/10/2003 (terça-feira)
Local: Estádio Bento de Abreu, em Marília
Público: 6.652 pagantes
Renda: R$ 62.288,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/PR)
Assistentes: Roberto Braatz (PR) e Rogério Carlos Rolim (PR)
Cartões amarelos: Edgar, Juca, Túlio e Leandrão
Gols: Almir, aos 2min, Juca, aos 10min, e Almir, aos 41min do primeiro tempo; Delani, aos 13min do segundo tempo.