Botafogo arranca empate no sul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 9 de outubro de 2002 as 23:51, por: cdb

Grêmio e Botafogo empataram em 1 x 1, na noite desta quarta-feira, em Porto Alegre. O Tricolor gaúcho saiu na frente com o ala-esquerdo Roberto, mas o Alvinegro foi buscar o empate através do zagueiro Odvan. Os gols saíram no segundo tempo.

Desde o início da semana, a capital do Rio Grande do Sul foi castigada por incessantes chuvas. E ela permaneceu durante quase todos os 90min da partida.

Entretanto, a drenagem do Olímpico funcionou conforme o previsto e deu condições para que os jogadores conseguissem se movimentar sem maiores problemas. Quem não quis saber de se molhar foi a torcida, que resolveu ficar em casa.

As primeiras chances do confronto foram do Grêmio. Aos 6min, Tinga lançou Adriano Chuva, que chutou sobre Carlos Germano. O goleiro deu rebote. Na seqüência, Tinga estava pronto para abrir o placar, mas Sandro afastou o perigo.

A pressão aumentou, usando a mesma dupla. Aos 15min, Adriano Chuva recebeu, fez a parede e tocou para Tinga, que invadiu a área a chutou com precisão. Carlos Germano fez uma defesa milagrosa para salvar sua equipe. O Tricolor gaúcho já merecia o gol.

Gol que esteve muito perto de acontecer. Aos 17min, Chuva cruzou na área e Rodrigo Fabri foi empurrado pelo zagueiro Allan. O juiz marcou pênalti na hora, sem titubear. Dois minutos depois, Fabri cobrou no canto esquerdo, rasteiro, e o goleiro do Botafogo, em noite inspirada, defendeu.

Os visitantes até então somente se defendiam. Mas aos 21min, o zagueiro Sandro cobrou falta de longa distância e, no meio do caminho, Rogério desviou e quase surpreendeu Danrlei. Após perder o pênalti, o time de Porto Alegre se retraiu momentaneamente em campo.

Aos poucos, os gaúchos voltaram a atacar, sem a participação de Adriano Chuva, que saiu lesionado para a entrada de Guilherme. Os arremates não tinham mais o perigo dos minutos iniciais. Também porque o trio defensivo do Botafogo, comandado por Odvan, postou-se muito à frente da barreira humana chamada Carlos Germano.

A equipe de Ivo Wortmann levou perigo aos 42min. Ademílson envolveu a defesa gremista e foi derrubado por Claudiomiro, que levou o terceiro cartão amarelo. Sandro cobrou a falta com violência e obrigou Danrlei a praticar grande defesa.

O Botafogo voltou para a etapa complementar com Rodrigão no lugar de Rogério, de fraco desempenho nos primeiros 45min. Entretanto, logo a 1min o Grêmio deixou de marcar. Luís Mário cruzou na cabeça de Guilherme. O garoto, de dentro da pequena área, conseguiu o mais difícil, colocou pela linha de fundo.

Cinco minutos mais tarde, Rodrigo Fabri lançou Roberto. O ala-esquerdo cortou o zagueiro e chutou cruzado, no travessão de Carlos Germano. A partida ficou aberta, pois os cariocas não estavam mais dispostos a se defender.

Tinga, o melhor jogador do time da casa, fez a jogada do gol do Tricolor gaúcho. Aos 12min, ele cruzou na medida certa, a bola passou por Guilherme e Roberto apareceu em velocidade, tocando com a canela esquerda para o fundo das redes. Foi o primeiro gol do ala-esquerdo com a camiseta do Grêmio.

A equipe do Olímpico seguiu pressionando. Aos 23min, Luís Mário passou por dois marcadores e arriscou de longe. Carlos Germano fez grande defesa, mais uma vez. O atacante gremista sentiu o joelho esquerdo, na jogada.

O Botafogo tentou a reação. Contudo, a zaga do time gaúcho evitou as aproximações do adversário, deixando como opção os chutes de longa distância, que em nada assustaram o goleiro Danrlei. Quando buscava os ataques o Grêmio buscava Rodrigo Fabri, mas depois de perder o pênalti, o meia não mostrou mais o mesmo futebol dos primeiros minutos.

A pressão do Alvinegro era cada vez maior. Aos 27 e aos 31min, o Botafogo levou grande perigo ao time da casa. O ímpeto ofensivo transformou-se em gol aos 32min. Esquerdinha cruzou da esquerda, com precisão, e Odvan empatou, de cabeça.

Um minuto antes de sofrer o revés, o técnico Tite havia tirado o atacante Luís Mário para colocar o volante Emerson, com o claro