Bombeiros tentam impedir que baleias encalhem no Porto de Sepetiba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 10 de agosto de 2001 as 12:32, por: cdb

O Grupamento Marítimo (GMar)do Corpo de Bombeiros passaram a manhã desta sexta-feira tentando impedir que duas baleias jubarte (Megaptera novaeangliae) adultas, com aproximadamente 15 metros de comprimento e cerca de 40 toneladas, encalhassem na Baía de Sepetiba. Oito homens em uma lancha fizeram todos os esforços para afastá-las dos bancos de areia e conduzí-las para alto-mar, mas elas permanecem em águas navegáveis, embora muito próximas da parte rasa, onde o lodo no fundo poderia causar o encalhe dos animais.
Segundo o comandante do G-Mar, coronel Marcos Silva, alarmes foram utilizados para que os animais se afastassem, “mas elas sempre acabam voltando para perto do Porto de Sepetiba”, explicou Silva.
O receio dos bombeiros é que elas acabem ficando encalhadas. “As águas são rasas. Todo vez que elas balançam parte do corpo acabam trazendo lodo para a superfície”, afirmou o comandante.
O coronél do Corpo de Bombeiros garantiu que manterá uma equipe monitorando os movimentos dos cetáceos para evitar que rumem novamente para a costa.
– Uma delas está com uma rede engastalhada em torno do corpo. Provavelmente a mesma rede que matou uma tartaruga marinha esta semana. Nota-se que o animal está muito nervoso e agitado por causa disso, mas infelizmente não posso arriscar a vida de um de nossos homens para tentar remover o artefato de pesca – lamenta-se o militar.

ANIMAIS MUITO DÓCEIS
A baleia jubarte, (também chamada baleia corcunda ou preta, pertence a família Balaenopteridae e é conhecida por seu temperamento dócil, pelas acrobacias que realiza (saltos, exposição de cabeça e nadadeiras, etc.) e por um desenvolvido sistema de vocalização.

Uma característica marcante da espécie são as nadadeiras peitorais extremamente longas, que atingem quase 1/3 do comprimento total do corpo. As fêmeas, um pouco maiores que os machos, podem alcançar 16 m de comprimento e pesar 40 toneladas. Quando em fuga deslocam-se a velocidades de até 27 km/h.

As jubartes realizam migrações sazonais entre áreas de alimentação em altas latitudes, e área de reprodução e cria em regiões tropicais.
No Atlântico Sul Ocidental, a principal área de reprodução desta espécie é o Banco dos Abrolhos, no litoral sul da Bahia. Nos meses de julho a novembro, estas baleias procuram as águas quentes, tranquilas e pouco profundas de Abrolhos para acasalar e dar à luz a um único filhote, que nasce após uma gestação de aproximadamente 11 meses.

A caça indiscriminada reduziu drasticamente quase todas as populações de baleias do planeta. As baleias jubarte, cuja população mundial antes da caça era cerca de 150.000 indivíduos, hoje está estimada em quase 25.000 baleias distribuídas em todos os oceanos. Elas se encontram na Lista Ofícial de Espécies Ameaçadas de Extinção do IBAMA.