Bolívia sugere aumento de 61% sobre o preço do gás ao Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 7 de maio de 2006 as 19:59, por: cdb

Presidente da Bolívia, Evo Morales disse que espera aumentar em US$ 2, ou 61,3%, o preço do gás vendido ao Brasil e à Argentina, segundo informou neste domingo a Agencia Boliviana de Información (ABI), a agência de comunicação oficial do país. A medida tem como objetivo contornar problemas econômicos, como o déficit fiscal de US$ 300 milhões, sem recorrer à cooperação internacional. De acordo com Morales, a alta representará um “importante ingresso para o erário nacional”. A ABI informa que o aumento de um único dólar representa um incremento de mais de US$ 300 milhões anuais.

A agência diz que o Brasil paga à Bolívia US$ 3,26 por milhão de Unidades Térmicas Britânicas (BTU), medida utilizada para quantificar financeiramente o gás natural. A Argentina paga o equivalente a US$ 2,6 por milhão de BTU. Em função ao aumento nos preços do petróleo, o milhão de BTU está cotado em US$ 9 no mercado internacional.

Segundo a ABI, Morales afirmou que, frente a esses problemas, “os governos sempre foram mendigar ao exterior”, mas com a recuperação dos recursos naturais será possivel resolvê-los internamente.

– Agora depende de nós. Nós é quem podemos colocar o preço, mas, para não perder a amizade, vamos discutir (com os sócios energéticos) – disse, acrescentando que os países vizinhos já se mostraram abertos ao diálogos.

O decerto de nacionalização das reservas de gás e petróleo da Bolívia estabelece um prazo de 180 dias para que as empresas petrolíferas firmem novos contratos. A ABI informa que a espanhola Repsol-YPF foi a primeira a iniciar o processo de diálogo.