Boeing pesquisa em segredo veículo antigravidade

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de julho de 2002 as 11:04, por: cdb

Pesquisadores da Boeing, a maior empresa produtora de aviões do mundo, estão usando a teoria de um polêmico cientista russo na tentativa de descobrir o caminho para resistir à gravidade. A companhia vem testando as pesquisas feitas pelo cientista Yevgeny Podkletnov, que diz ter conseguido descobrir uma forma de manter objetos flutuando.
O cientista russo é visto com reservas por muitos colegas, mas o trabalho em conjunto com a Boeing deu maior credibilidade aos experimentos de Podkletnov. O projeto vem sendo realizado secretamente na Phantom Works, em Seattle, como parte de uma das pesquisas mais importantes da companhia. O chefe da empresa, George Milner, disse ao jornal Jane’s Defense Weekly, que trata de assuntos de segurança, que a pesquisa parece ser válida e plausível. Yevgeny Podkletnov diz ter conseguido conter os efeitos da gravidade em uma pesquisa realizada na Universidade de Tecnologia de Tampere, na Finlândia, em 1992.
O cientista elaborou um disco de cerâmica de supercondução que gira em torno de um disco eletromagnético de baixo peso. A redução da gravidade foi pequena, cerca de 2%, mas as implicações, no caso de corte de energia para as aeronaves, podem ser bastante significativas, revolucionando a aviação.
Cientistas que investigaram os experimentos de Podkletnov disseram, no entanto, que as pesquisas tinham falhado e que anular o efeito da gravidade era impossível. Mas os documentos obtidos pelo jornal Jane’s Defense Weekly e vistos pela BBC mostram que a Boeing tem levado a sério às descobertas do cientista russo. A pesquisa está sendo realizada com o codinome de “Projeto Grasp”.
A Nasa, agência americana espacial, também está tentando reproduzir as pesquisas do cientista russo, mas análises preliminares mostram que o efeito de anular a gravidade não foi obtido. Em todo caso as pesquisas de Podkleton lembram muito os discos-voadores da ficção cientifica, embora a Boeing nem queira tocar no assunto.