BNDES nega empréstimo para Varig e combustível, agora, só à vista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de abril de 2006 as 12:33, por: cdb

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou, nesta terça-feira, a sua recusa em relação à proposta do Trabalhadores do Grupo Varig (TGV) para liberar um financiamento da Varig no valor de US$ 100 milhões. Os trabalhadores apresentavam os salários e o programa de milhas Smiles como garantia do recebimento do empréstimo.

Rodrigo Marocco, presidente da Associação de Pilotos da Varig (Apvar), disse que os representantes dos trabalhadores ouviram do presidente do banco, Demian Fiocca, que o plano não tinha viabilidade técnica e que era necessário um investidor que pudesse dar garantias para liberação do financiamento. Em novembro passado, as duas ex-subsidiárias da Varig, a VEM (manutenção) e a VarigLog (transportes) foram vendidas em uma operação que foi financiada pelo BNDES. A operação no valor de US$ 41,3 milhões já foi completamente quitada.

Representantes do TGV estão em Brasília para negociações no Ministério da Defesa e com técnicos da Secretaria de Previdência Complementar do Ministério da Previdência (SPC).

Mas o governo tem repetido várias vezes que não está disposto a injetar recursos na Varig. Além da recusa do BNDES, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os ministros Guido Mantega (Fazenda) e Dilma Rousseff (Casa Civil) defendem publicamente uma solução de mercado para a empresa. A BR Distribuidora, a quem a Varig pede crédito para ter combustível para voar, também já sinalizou que continuará a somente a aceitar pagamentos à vista da empresa aérea.