Bloco aponta os “desvios colossais” das promessas de Passos Coelho

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de agosto de 2011 as 23:12, por: cdb

O deputado bloquista Pedro Filipe Soares acusou o primeiro-ministro de ter dito em campanha que não aumentaria impostos e vir agora aumentá-los a cada conferência de imprensa dada pelo ministro das Finanças. A CGTP diz que há razões para uma “mobilização muito grande” da sociedade.Artigo |1 Setembro, 2011 – 00:00No que diz respeito aos impostos, Passos Coelho mudou de discurso como quem muda de casaco, diz o Bloco. Foto Luís Saraiva/Flickr

“Na campanha eleitoral, Passos Coelho prometeu que não aumentaria impostos, mas em cada conferência de imprensa do ministro das Finanças há um novo aumento de impostos. Neste caso concreto o aumento do IVA, uma taxa que lesa o consumo, o que traz um efeito ainda mais recessivo à economia”, disse o deputado do Bloco em reacção à conferência de imprensa de Vítor Gaspar.

Pedro Filipe Soares disse ainda que o Governo “fez muito pouco” para taxar os rendimentos mais elevados. “Percebemos que há aqui uma tentativa de responder à pressão mediática existente mas é uma tentativa para fazer muito pouco quando muito mais estava ao alcance do Governo”, acrescentou o deputado, citado pela agência Lusa.

O outro “desvio colossal” do Governo, no entender do Bloco tem a ver com “o rigor”. “O ministro considerou que a situação vivida na Madeira como uma crise insustentável devido à governação de Alberto João Jardim, no entanto não teve uma palavra sequer para uma solução”, criticou Pedro Filipe Soares, dando ainda outro exemplo: “sobre as parcerias público-privadas, que é o grande encargo de despesa que nós temos do ponto de vista das contas públicas, o ministro foi parco nas palavras, não falou ou falou ao de leve”.

Outra reacção ao anúncio feito pelo ministro de congelamento de salários e pensões, redução de funcionários e aumento de impostos, veio da parte do secretário-geral da CGTP, ao afirmar que estas “políticas de recessão” podem colocar o país “num patamar social e de desenvolvimento de onde é muito difícil sair”.

«O país está condenado com tudo isto a aumentar o desemprego. Tudo o que é avançado aumenta o desemprego», alertou Carvalho da Silva. O líder sindical disse ainda que estas medidas de austeridade agora anunciadas são razões para “uma mobilização muito grande da sociedade portuguesa” para as enfrentar. A CGTP promove manifestações em Lisboa e Porto no dia 1 de Outubro contra as políticas de austeridade do Governo.

 

Artigos relacionados: Governo congela salários, reduz funcionários e aumenta impostos Orçamento Rectificativo “vai cobrir descapitalização da banca”