Blatter defende exclusão de times que toleram racismo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 16 de dezembro de 2005 as 11:54, por: cdb

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, pediu nesta sexta-feira sanções mais duras para os clubes que toleram comportamentos racistas de suas torcidas. Em sua opinião a punição poderia ir desde a exclusão do clube das competições até a queda de divisão.

– Devemos ser muito mais severos com todas as discriminações em nosso esporte e a única decisão que pode ser tomada é retirar os pontos dos clubes responsáveis, excluí-los das competições ou rebaixá-los a uma divisão inferior- afirmou Blatter na capital japonesa, onde o Mundial de Clubes está sendo disputado.

O dirigente acredita que a imposição de multas “não tem nenhum efeito” para solucionar este problema, que é uma “vergonha para o esporte”, segundo disse, antes de se referir ao caso do jogador italiano da Lazio, Paulo Di Canio, autor em duas ocasiões de uma saudação fascista aos torcedores de seu time.

– Não posso dizer mais nada do caso Paulo Di Canio, entre outras coisas porque não tenho o dossiê sobre ele, mas nestes casos seria necessário excluir o jogador de nossa família – apontou Blatter.

Di Canio repetiu no fim de semana passado o gesto fascista para os torcedores da Lazio presentes no campo do Livorno, ação que já protagonizou no mês passado e que lhe valeu uma multa de 10.000 euros.

A Federação Italiana de Futebol decidiu há três dias não punir o atacante, mas vai abrir uma investigação, além de impor à Lazio uma multa de 8.000 euros por permitir que seus torcedores pendurassem uma cruz celta nas tribunas do estádio do Livorno.

No mesmo jogo alguns torcedores da Lazio gritaram palavras em favor do ditador italiano Benito Mussolini.