Blair pede que UE e Rússia coopere mais contra o terrorismo e o tráfico

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 31 de maio de 2003 as 08:28, por: cdb

O primeiro-ministro britânico Tony Blair pediu que a União Européia e a Rússia aumentem a cooperação na luta contra o terrorismo e tráfico de drogas, numa tentativa de colocar as tensões em relação ao Iraque em segundo plano.

Blair fez o pronunciamento na abertura da cúpula entre União Européia e Rússia na cidade de São Petersburgo, neste sábado.

O primeiro-ministro britânico disse que os dois lados sofriam com “os mesmos problemas” e que a União Européia precisava do “apoio total” da Rússia.

– Não importam as diferenças…essa reunião precisa renovar o senso de urgência para que a parceria entre União Européia e Rússia progrida – disse Blair.

Isolamento

Entre os principais assuntos a serem tratados na cúpula deste sábado está a questão do fim da exigência dos vistos para cidadãos russos viajarem pela Europa, um objetivo antigo do presidente russo Vladimir Putin.

Abrindo a reunião Putin pediu que as fronteiras da Europa fossem abertas para a Rússia. O apelo de Putin ganhou o apoio do presidente francês Jacques Chirac, mas correspondentes afirmam que a situação não deve mudar durante o encontro.

Ainda neste sábado, o presidente americano George W. Bush deve se juntar aos mais de 40 líderes do mundo todo que estão reunidos na cidade, antes de se encontrar com Vladimir Putin no próximo domingo pela primeira vez desde que o governo russo se opôs publicamente à ação militar no Iraque.

Maratona

São Petersburgo deve passar por uma verdadeira maratona de cúpulas.

O principal assunto dos encontros deve ser o Iraque, como mostrou a primeira delas, com os chefes de Estado e governo das ex-repúblicas soviéticas. Os líderes da chamada Comunidade de Estados Independentes (CEI) aprovaram o fim das sanções da ONU ao Iraque e pediram um papel maior do órgão na região.

O grupo apoiou ainda as tentativas de a Rússia melhorar as relações com o Ocidente depois de ter se oposto à guerra. Todos os países se declararam favoráveis a um regime estável no Iraque, que não está longe da fronteira sul de vários deles.

Neste sábado o presidente Vladimir Putin se reúne com 14 dos atuais 15 líderes da União Européia. O primeiro-ministro espanhol, José Maria Aznar, cancelou sua participação depois que a explosão de um carro-bomba matou duas pessoas no norte da Espanha.

Líderes de 10 países que são candidatos a se tornarem membros da União Européia – e que devem se tornar membros em 2004 – também estão presentes.

A Rússia exige há tempos que os vistos para viagens de cidadãos russo pela Europa sejam abolidos, mas diplomatas europeus afirmam que a situação não deve ser definida neste sábado.

Outras cúpulas

Outras cúpulas já ocorreram em São Petersburgo, como a reunião entre as ex-repúblicas soviéticas.

Além do encontro entre as ex-repúblicas soviéticas, outra cúpula que já aconteceu foi com o primeiro-ministro do Japão, Junichiro Koizumi.

Putin e Koizumi fecharam novos projetos de energia e reafirmaram a necessidade de um acordo de paz pós-Segunda Guerra, que não existe até hoje.

O encontro do próximo domingo com Bush, segundo analistas, não deve chegar a nenhuma decisão importante, mas vai oferecer uma chance única de reconciliação entre os países depois das diferenças quanto à guerra no Iraque.

Um dos pontos mais difíceis do encontro deve ser a da ajuda da Rússia ao Irã para a construção de uma usina nuclear em Bushehr. Os Estados Unidos já pediram que a Rússia suspenda a ajuda.

O Irã nega que o projeto tenha qualquer fim militar. A Rússia diz que a ONU deve avaliar se há risco de uso militar da energia nuclear antes de suspender a operação.