Bin Laden se despede e parte a cavalo para as montanhas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de setembro de 2001 as 09:39, por: cdb

Segundo o jornal inglês “The Guardian”, o dissidente saudita Osama bin Laden fez um discurso em Cabul para cerca de 500 seguidores e partiu, a cavalo, para um local secreto nas montanhas do Afeganistão.

De acordo com o “Guardian”, Bin Laden aparentemente fez um discurso de despedida no centro da capital afegã na segunda-feira. “A platéia era composta por militantes islâmicos”, afirmou uma fonte árabe.

Segundo a fonte, Bin Laden disse adeus para seus seguidores antes de desaparecer com seus guarda-costas.

“Eles deixaram os veículos e seguiram a cavalo. Ele deve ter ido para algum lugar onde carros não chegam”, disse a fonte ao “Guardian”.

Esta informação, segundo o jornal inglês, parece ser a última confirmação de que Bin Laden realmente foi para um acampamento temendo um grande ataque norte-americano.

Talibãs resolvem não entregar bin Laden

Líderes religiosos do Afeganistão decidiram, nesta quinta-feira, que o saudita Osama Bin Laden deve deixar o país, mas eles não vão expulsa-lo.

Segundo informações da Bakhtar, a agência de notícias oficial do Talibã, milícia islâmica que governa o Afeganistão, “a Ulema (conselho de clérigos islâmicos) quer que o emirado do Afeganistão encoraje Osama a deixar o país por livre e espontânea vontade”.

A decisão foi tomada depois de um encontro de dois dias de centenas de religiosos islâmicos que foram convocados a Cabul, capital afegã, pelo governo Talibã para discutir o ultimato dado pelos Estados Unidos de entregar Bin Laden, suspeito número um de ser o mentor dos atentados realizados nos Estados Unidos na semana passada.

A partir de agora, o Afeganistão está preparado para declarar uma guerra santa contra os Estados Unidos, caso tropas americanas invadam o país.

“Se uma nação poderosa ataca uma nação fraca, será então a jihad (guerra santa) para todos os muçulmanos. Quando um país não-islâmico ataca um país islâmico, é a jihad”, disseram os religiosos.

Eles disseram também que a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização da Conferência Islâmica, uma entidade formada por 52 nações muçulmanas, devem investigar as acusações sobre Bin Laden e exigir que as forças americanas não ameacem as vidas de civis no Afeganistão. “Não matem pessoas inocentes”, disseram os líderes religiosos na declaração.

Ainda não se sabe se Bin Laden deixará o país, onde ele está desde 1996.