Bin Laden já está a quilômetros de Cabul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 21 de setembro de 2001 as 15:19, por: cdb

Enquanto os EUA dão sinais de preparar uma ofensiva armada contra o Afeganistão, a imprensa asiática especula cada vez mais sobre o paradeiro do terrorista saudita Osama bin Laden, considerado o principal suspeito dos atentados do último dia 11 contra os Estados Unidos. Informações divulgadas nesta sexta-feira pela imprensa paquistanesa garantem que são cada vez mais fortes as evidências de que Bin Laden já teria deixado seu refúgio nas montanhas afegãs.

De acordo com o jornal paquistanês “Jang” – que cita fontes talibã – o terrorista fugiu do Afeganistão quatro dias antes da Shura, a reunião de clérigos fundamentalistas terminada quinta-feira, em Cabul. No encontro, líderes religiosos decidiram recomendar que Bin Laden deixasse o país, mas apenas se fosse de sua vontade. Agências locais, como a “Pakistan News Service” (PNS) dão conta de que o ministro do Interior do Paquistão, Naseerullah Babar, havia confirmado a informação da fuga. No entanto, nem o ministro, as autoridades talibã ou mesmo o governo paquistanês comentaram o fato. Os boatos também não foram desmentidos, deixando um ponto de interrogação quanto ao destino do homem mais procurado do mundo.

Nem mesmo a existência de simpatizantes de bin Laden entre os grupos radicais islâmicos garante refúgio ao terrorista saudita
Fontes próximas às autoridades religiosas em Cabul dizem que bin Laden goza de boa saúde e deixou o país cercado por jovens árabes que aceitaram arriscar suas vidas para defendê-lo. Estas fontes afirmam ainda que entre os destinos prováveis, estariam o Líbano e as montanhas na Chechênia, na região do Cáucaso. A difícil tarefa de localizar o saudita e seus colaboradores mais próximos tem colocado em xeque não somente os Estados Unidos, mas também os analistas, que se perguntam que país estaria disposto a abrigar Osama bin Laden, já que isso provocaria a ira e – possivelmente – um ataque militar americano.

Entre as suspeitas do novo esconderijo, há ainda os países vizinhos ao Afeganistão, como Paquistão, Irã, China, Turcomenistão, Tadjiquistão e Uzbequistão. Nenhum desses governos, no entanto, parece ter a coragem de colaborar com o maior inimigo da Casa Branca. A China, por exemplo, afirmou que a possibilidade de que Bin Laden esteja escondido no país é “remota”. Os turcomenos, por sua vez, dizem que a medida contraria sua “política de neutralidade”.

– Abrigá-lo é tão absurdo que ninguém deveria perder tempo pensando nesta hipótese – disse um ministro do Uzbequistão.

Para muitos, apesar de improvável devido aos riscos do trajeto, a hipótese de que bin Laden vá buscar proteção nos países do Oriente Médio é muito forte. Afinal, é lá que está o maior celeiro de recrutamento de jovens para atuar em movimentos extremistas, além do já natural ódio à cultura – segundo eles, imperialista – praticada pela Casa Branca.