Bin Laden é mantido prisioneiro por milícias talebãs

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de setembro de 2001 as 13:46, por: cdb

O Talebã, milícia que controla o Afeganistão, confirmou nesta quinta-feira que Osama Bin Laden está sendo mantido sob prisão domiciliar, segundo a agência Sky. A agência BBC, de Londres, informou em seguida que bin Laden, suspeito de ser o mentor do ataque terrorista aos EUA, está sendo mantido sob controle em locação ao sudeste do Afeganistão. As informações são da Dow Jones.

O perfil de Osama bin Laden

Osama bin Laden é, ao mesmo tempo, um dos homens mais procurados pela CIA e herói de muitos jovens no mundo árabe.

Ele e seu grupo são procurados pelos Estados Unidos sob acusação de estarem envolvidos em atentados contra alvos americanos, incluindo os ataques a bomba a duas embaixadas dos EUA na África em 1998.

Segundo Washington, bin Laden também estaria por trás do atentado contra o navio USS Cole da Marinha americana, que foi atingido por uma bomba enquanto estava atracado no Iêmen.

Em maio deste ano, quatro pessoas foram condenadas em um tribunal americano pelo envolvimento nos atentados às embaixadas na África – os condenados teriam conexões com bin Laden.

Milionário

Bin Laden vive atualmente no Afeganistão, protegido pela milícia do Talebã – o grupo radical islâmico que controla cerca de 90% do território afegão.

Ele foi para o Afeganistão em 1979, para lutar junto com as milícias muçulmanas que resistiam à invasão da então União Soviética.

Bin Laden morava na Árabia Saudita, onde nasceu, e é filho de um milionário vindo do Iêmen.

Enquanto continua protegido no Afeganistão, ele declarou uma “guerra santa” contra os Estados Unidos e defendeu a morte de judeus e americanos.

Alguns analistas acreditam que bin Laden pode contar com pelo menos 3 mil pessoas dispostas a lutar por ele.

Treinado pela CIA

Falando à BBC, o especialista em Oriente Médio, Hazhir Teimourian, disse que bin Laden chegou a ser treinado pela CIA durante seus anos de guerrilha no Afeganistão.

Na época, Washington deu apoio financeiro e prático aos grupos armados que lutavam contra a presença dos soviéticos no Afeganistão.

Foi neste período que ele fundou o grupo Maktab al-Khidimat (MAK) para recrutar combatentes no mundo inteiro e importar equipamento para reforçar a resistência afegã.

O apelo de bin Laden funcionou e, segundo ele, milhares de combatentes de países como o Egito, a Turquia e o Líbano se juntaram ao grupo.

Guerra civil

Com o fim da desastrosa invasão da União Soviética no Afeganistão e em meio à guerra civil que se seguiu no país, bin Laden se voltou contra os Estados Unidos e seus aliados no Oriente Médio.

Ele chegou a voltar à Arábia Saudita, mas foi expulso em 1991, acusado de envolvimento em atividades subversivas.

Nos cinco anos seguintes, bin Laden viveu no Sudão – mas também foi expulso de lá depois de pressões americanas sobre o governo sudanês.

Ao deixar o Sudão, bin Laden retornou ao Afeganistão – e analistas dizem que ele passou a se dedicar ao planejamento de atentados contra alvos americanos.

Dono de uma grande fortuna, o Departamento de Estado considera bin Laden “um dos maiores patrocinadores do extremismo islâmico em todo o mundo”.

Washington acusa o milionário de envolvimento em uma série de atentados, incluindo o carro-bomba no World Trade Center em 1993, a morte de 19 soldados americanos na Arábia Saudita em 1996 e os ataques a bomba contra as embaixadas no Quênia e na Tanzânia.

Frente islâmica

Alguns analistas acreditam que bin Laden faça parte de uma frente islâmica internacional que reúne grupos da Arábia Saudita, do Egito e de outros países na região.

A frente teria como objetivo final o que seria a liberação final dos três locais mais sagrados para os muçulmanos: Meca e Medina (na Arábia Saudita) e Jerusalém.

Bin Laden dificilmente fala à imprensa – mas os poucos que o conheceram dizem que ele é modesto e praticamente tímido.

Acredita-se que ele tenha cerca de 40 anos de idade e que tenha três mulheres.

Desde que o movimento radi